deixei cair o café

que preparei com tanto apego

na queda, a culpa

no encontro, a certeza

suspirei três vezes, novamente

como o primeiro na fila do desconsolo

e inaugurei sentimentos

mesmo sabendo que depois dos 25 é só sangue

não se aprende nada

errado estava, a música e eu

recolhi a moca com pano velho

e lavei com antisséptico o que restara

nada

não restara nada

a paz é silenciosa, mente

recolho do chão a passos de zambaio

a xícara quebrada

coitada

jamais será usada

olho-na por uma ferramenta de talhar junta

afinal, não vem elas em pares?

lá vai

mais uma pro sepulcro

e penso

como eu

mesmo depois de morto

tantas vezes

ainda consigo escapar com vida