no dia que eu for(fui)

não haverão louros ou agouros

será uma terça-feira, como outra qualquer

as lágrimas não vão nem se dar o trabalho de coçar o olho alheio

o sol vai sair, porque já estava marcado assim pela moça do tempo, a frente fria deságua pro sul

o engarrafamento vai embolar na lucaia, acm e paralela

vão dizer que foi um dia incomum, mas o dólar vai fechar em alta novamente

vão tocar “here comes the sun” três vezes ao longo da tarde

alguma garota, que perdeu o sentido do amor, pediu na jovem pan

o camelô da passarela vai contabilizar 147 balas,

3 microchips da tim, 2 óculos escuros e 4 pares de sapatos

baita reportagem.

a tia do lanche vai fazer uma promoção de 3 reais(suco+salgado)

descobriu que vai ser avó pela terceira vez, dessa vez da filha favorita

- ninguém sabe o duro que dei.

uma entrevistada citará Simonal sem querer, na rua,

falando sobre a recente vitória no aumento do salário dos garis; capa de amanhã

os números da loteria serão 07–12–20–39–40–54

acumulou

quando menos esperar você vai ler

“morre jovem de morte morrida…”

quem ainda lê jornal? você pensa na varanda

“…achou que era certo atravessar sem olhar pros dois lados da ave-nida.

de quem é a culpa seu prefeito?”

e por um momento vai pensar

que aquele dia, que não leu meu nome inexistente: o indigente

podia ser um bom dia pra tomar um açaí ouvindo Jorgebenjor

logo aquela que lhe ensinei ser a melhor cura

para dias tão ordinários

Like what you read? Give Gui Mendes a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.