O Encontro II

- Boa noite.

- Oi. Eu estou procurando por uma amiga. Ela costuma organizar um encontro neste prédio, uma espécie de, digamos… terapia. Em grupo, sabe?

- Ah, sim, é claro. Muitas mulheres da sua idade vêm aqui procurar por ajuda especializada. Não se sinta envergonhada com isso, minha jovem. Ser trocada por outra nunca é algo fácil de se lidar. É por isso que elas se reúnem toda semana, há mais de um ano. Qual era o nome do seu noivo? Que indelicadeza a minha, esqueça que eu perguntei. Estão na última porta, ao final do corredor. A sala está cheia, então é melhor levar uma cadeira. Tome esta mesma, já estou quase terminando meu turno.

- Muito obrigada.


- Que bom que você finalmente veio, está saindo da sua zona de conforto. Acabamos de conhecer as novas colegas há alguns minutos. Traga sua cadeira e sente-se ali, no meio do círculo. Por favor, façam espaço para ela passar. Quem sabe você começa nos dizendo o que a motivou a vir?

- Sabe que eu vim pela sua indicação.

- Sim, mas aconteceu algum problema? Algo na sua vida afetiva, por exemplo? Algo no final do ano passado?

- Sim, mas isso já faz um ano. Achei que você…

- Calma, você está envergonhada. É normal no início, então eu vou te ajudar. A minha amiga aqui, assim como todas nós, teve o noivado interrompido. Agora ela não consegue superar; chora toda vez que vê um casal de mãos dadas na rua ou quando pensa nele. Pronto, falei. Não foi tão difícil assim.

- Eu não faço isso…

- Então por quê nunca mais saiu com alguém?

- Porque eu não quero.

- Você, que nunca parou com homem nenhum, quer que eu acredite nisso. Sabe quem terminou um noivado ano passado e já encontrou a pessoa certa de novo? Eu mesma. E ele faz seu tipo, se quer saber. Quer conhecê-lo? Posso te dar o endereço completo, não tem problema. Já fiz isso uma vez. Quem sabe daí você não me rouba outro noivo, só pra depois largá-lo no altar também?

- Eu terminei o noivado porque estava confusa. Achei que você…

- Não me interessa! Era eu quem deveria casar com ele. Ele me amava muito. Não sei como, mas você fez com que ele me trocasse por ti. Já tínhamos até nome para os nossos futuros filhos, sabia disso? Seríamos o casal perfeito, até você vir e estragar tudo. Agora ele nem olha mais pra mim quando o vejo na rua com outra pessoa. Você sempre foi assim, egoísta e traiçoeira, então não se preocupe em fazer sua apresentação, pois eu garanti que as mulheres daqui já soubessem muito bem que tipo de pessoa você é de antemão.

- Me desculpem, mas eu vou ir embora. Me dê licença, por favor. Já pedi licença. Abra espaço!


- Minha jovem, por que está saindo? Nenhum homem aí fora vale as suas lágrimas. Não, a saída é por aqui, tem que passar pela catraca. Devo guardar sua cadeira para a próxima noite?

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Gui Premonsa’s story.