Se afastar não é errado

Gui Santos Lobo
Jun 24 · 2 min read

Entendi que não é errado me afastar de alguém que, mesmo que me trate bem (na minha frente) e diga que me quer bem, continua a discursar e demonstrar ódio aos meus semelhantes e a outros grupos, as quais não faço parte, mas me ficou um questionamento na cabeça.

Até que ponto quero estar junto de alguém que me demonstra afeto por perto, sendo que essa pessoa olha pra um morador de rua e sente nojo? Nojo não da sujeira, não do chão, mas sim nojo daquele outro ser humano.

Até onde é tolerável aturar parente que demonstra que me quer bem, pois me viu crescer, mas continua tendo ódio de travestis, faz piada agressiva sobre gay afeminado ou mulher “masculinizada”… mesmo a pessoa sabendo que sou homossexual?

Até quando dá pra aturar alguém que despreza qualquer condição de vida diferente que ela não vive e não é capaz de ter empatia? Alguém que não é capaz de olhar um minuto pra fora do seu privilégio pra entender a outra pessoa, até que ponto é seguro estar por perto dela?

Eu preciso mesmo ter por perto alguém que mascara ódio, nojo, repulsa e segregação usando a maquiagem da “Essa é a minha opinião e você TEM QUE RESPEITAR!”?

Será mesmo que tenho que respeitar isso?
Porque eu, sinceramente, penso que não
e não me arrependo!

Gui Santos Lobo

Written by

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade