Você sempre recebe o que pede

Ainda muito criança aprendi sobre técnicas de condicionamento mental. Basicamente, trata-se de um conjunto de técnicas de programação do subconsciente para atingir um determinado objetivo, tais como: pensamento positivo, reforço mental de seus desejos, limpeza dos pensamentos negativos, projeções de sua vida futura, meditação, oração e, principalmente, fé. Já conheci muitos que alcançaram seus objetivos com o auxílio dessas técnicas.

Obviamente, do lado mais pragmático, não devemos interromper as ações para melhoria de vida. Ou seja, devemos continuar nos capacitando, nos qualificando e buscando nosso crescimento individual. Ao almejar uma promoção, uma grande conquista material, ou mesmo a cura de uma doença, mantenha o pensamento positivo, mas continue trabalhando para que as coisas aconteçam. Estude, se organize e se cuide!

O oposto do pensamento positivo e da busca permanente por melhorias é o pensamento negativo e o despreparo, que juntos são aliados fortes para os insucessos e mazelas. Afinal, se podemos nos condicionar e nos preparar para receber o bem, podemos também, mesmo que inconscientemente, atrair aspectos negativos para nossa vida.

Hammurabi, com a Lei de Talião, conseguiria facilmente um cadeira no nosso congresso

Acontece que quando saímos da perspectiva individual e partimos para uma perspectiva mais ampla, de nível nacional e em termos de sociedade, vemos que estamos seguindo exatamente o caminho mais tortuoso: o despreparo e a negatividade. Em termos de despreparo, é escandaloso o descaso com a formação dos mais jovens. Aquilo que deveria ser de responsabilidade do estado, da sociedade e das famílias, ficou relegado por todos, em todas as esferas. Estamos há décadas criando gerações de desgraçados e desesperançosos na parcela mais pobre, e de egoístas e insensíveis dentre os mais abastados.

Em termos de negatividade, é notório o crescente sentimento de ódio em nossa sociedade. Assistimos diariamente defensores de linchamentos e assassinatos, de uma atuação mais violenta da polícia, da intolerância aos diferentes. Hammurabi, com a Lei de Talião, conseguiria facilmente um cadeira no nosso congresso. Se tamanho sentimento negativo não faz bem em um indivíduo, imagine em uma sociedade.

Aquele policial que você aplaude quando executa alguns menores infratores (ou não) é um dos maiores responsáveis por ensinar que a vida não vale nada

Não por acaso, estamos sofrendo a escalada da violência, que atinge a todos independente de classe social. Montamos todo cenário para isso se desenvolver e ganhar proporções inaceitáveis. E o pior é que continuamos repetindo os mesmos comportamentos e criando uma espiral ascendente, que a cada giro se torna mais grave. Defender linchamentos e execuções é a maneira mais rasa e menos eficaz de se solucionar esse problema. A conclusão, nesse caso, é bastante óbvia: violência gera violência.

No Brasil, o aumento da violência de estado nunca resolveu nada. Tampouco, o descaso de sociedade e poder publico. Pelo contrário, só está causando mais violência. Aquele policial que você aplaude quando executa alguns menores infratores (ou não) é um dos maiores responsáveis por ensinar que a vida não vale nada. “Se posso perder minha vida facilmente, posso também retirar vidas sem problemas”, essa é a lição que tem sido transmitida de geração em geração. A criança é inteligente e sabe que vidas não possuem valores diferentes — ao contrário do que nossos olhos seletivamente tapados possam nos fazer crer.

Assim, da mesma forma que trataríamos um problema pessoal, com pensamento positivo e planejamento, temos que cuidar desse problema de toda sociedade. Discursos de ódio só legitimam as ações de violência, de ambos os lados (se é que há lados). E o descaso público em todas as esferas só cria condições para a proliferação do problema. Ou seja, se individualmente somos fortes, juntos somos imbatíveis, só nos cabe escolher se positiva ou negativamente.