Sobre asas e brotos

A racionalidade sempre esteve presente em minha vida como uma sombra assustadora e opressiva. O mundo dos cálculos, das medidas, das áreas e frações! Essa fortaleza de concreto pré-fabricado, de escadas e muros altos, portas estreitas e janelas gradeadas! Senti que minha natureza nunca poderia acessa-la.

Era por demasiado criativa, perdida e iludida para atravessar as portas do grande salão da ciência! Deveria ter-me castrado, ressecado minhas intuições, sensações, minhas tendências ilusórias e pensamentos vagos. Deveria ter cortado a raiz dessa árvore torta!
Os homens de minha família notaram tal desvio absurdo:
“Esta não há de prosperar! Não aprendeu a ser estéril, egoísta e supérflua. Decerto será uma prostituta! Ou mesmo quem sabe, uma viciada. Mulheres não podem caminhar com as próprias pernas por um caminho diferente do nosso. Nós homens criamos o caminho correto, e estamos aqui para guia-las pela estrada da sabedoria! ”

A sabedoria! Condição de quem tem erudição e conhecimento, alguém que foi capaz de acumular muitos saberes e transformá-los em ferramentas e tesouras para cortar asas e podar árvores.

Estude!
Mantenha a atenção!
Aprenda, absorva, associe, repita, resolva, responda! Anote, lembre-se, prove, melhore, supere, orgulhe-se, ignore, desdenhe!

É interessante notar que as meninas nascem com uma vontade visceral de viver e criar. Nossas asas começam a brotar muito cedo e, imediatamente, nos enfiam uma boneca para cuidar ou livros úteis para aprendermos uma profissão. As crianças não são livres.

Nossa liberdade é trocada por uma posição importante, uma família de comercial, um carro quatro portas com ar condicionado, ou mesmo uma casa com piscina. Como uma flor exposta ao calor e sem umidade, nossa criatividade murcha e morre.

Ao notar essas ervas daninhas crescendo no meu jardim, eu tratei de arrancá-las, uma por uma.

Ao me ver como única planta do meu jardim, comecei a criar meu próprio mundo, como e com quem EU queria.
Criar o próprio mundo é difícil, mas muito interessante. Você percebe que coisas muito maravilhosas podem te acontecer e, de repente, percebe que aquela fortaleza não era o único lugar para se estar. Gostaria que todas as mulheres pudessem ter a força para isso.

Esse não é um texto sobre mim. Talvez, mas talvez seja sobre você também.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.