Retrato de uma íris

Dorme tranquilo, menino.
Ouve a chama crepitar,
ardendo sem se ver.

Por debaixo desta resina,
cristalizado na profundeza da retina,
estão todos os mistérios do mundo,
a inefável beleza dos sentimentos
e uma indomável, irrequieta liberdade.

Por debaixo deste âmbar,
eis estocado o mel mais doce de libar. 
Provando-o, tua alma descansará,
selada de seu eu mais tempestuoso,
embalada por uma quietude incandescente.

Fique em paz, pequenino.
Não precisa despertar.
Manhã, enfim, desistiu de nascer.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.