A sua própria frase
Gustavo Tanaka
695

Eu acabo de terminar um mestrado e presenciei bastante esse tipo de sentimento — “quem sou eu pra dizer isso?”. Como eu não era esse tipo de aluno, falava o que pensava — e isso às vezes causava estranhamento até nos professores (todos doutores). Minhas piores notas vieram justamente daqueles professores que eu mais discordava e questionava em sala de aula. Mais uma vez, eu não era o tipo de aluno que ligava pra isso, mas é fato que o sistema se alimenta dele mesmoQuem é criado na academia tende a perpetuar essas práticas de repetição ao invés de questionar e trilhar um caminho mais autêntico, mais autoral. Foda.

Mas também acho que exista um equilíbrio nessa questão: ninguém precisa ter pós-doutorado pra dizer frases sobre si mesmo, mas se você reconhece ter pouco conhecimento em uma área, deve ter mais cuidado ao repassar esse pouco conhecimento para outros. Qualquer analogia medicinal aqui ajuda a entender a questão, e o caso Pugliesi é um bom pra ilustrar_ se você não estudou nutrição, vai receitar dieta pros seus amigos? Se não estudou em uma escola de medicina, pode receitar remédios? Se você não estudou ayurveda, vai dizer pros seus amigos quais os doshas deles e receitar uma dieta e recomendar um estilo de vida?

Agora, a academia e os estudos não são todas as fontes de conhecimento do mundo. Você pode adquirir experiência própria e, com base nisso, fazer algumas recomendações.

Além disso, referenciar nem sempre é uma forma de se diminuir diante de “mestres”, mas sim de reconhecer que diversas pessoas nesse mundo te inspiraram e que você faz uso delas ao transmitir e transformar o conhecimento que elas lhe apresentaram.

Like what you read? Give Gustavo Prista a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.