É só o começo.

Meu nome é Gustavo Cappelli Franceschini e nasci à meia-noite e dezessete do dia dez de novembro de mil novecentos e noventa e quatro, em São José dos Campos, interior de São Paulo. Uma curiosidade sobre meu nascimento é que nasci no mesmo dia que uma tia,um primo, uma bisavó e um tio, e se não fosse pelo horário de verão, meu aniversário seria comemorado um dia antes, fugindo da “tradição” da familia.

MInha mãe, minha avó e eu - 1994

Em 2013, com 18 anos, me mudei para São Paulo, para fazer faculdade. Me formei em 2016 em administração com ênfase em marketing e especialização em finanças pela ESPM. Atualmente faço MBA em Ciências do Consumo aplicadas pela mesma instituição. Escolhi essa área para entender melhor o consumidor,e principalmente como funciona o cérebro, essa vontade surgiu depois de um Practitioner que fiz em programação Neurolinguística.

Minha maior conquista até o momento foi ter me formado em uma faculdade de ponta, o que deixou minha família orgulhosa. Profissionalmente falando, minha maior conquista foi ter criado um relatório para controle de investimentos de marketing que foi replicado para China. Criei esse relatório durante meu período de estagiário em planejamento financeiro. Entrei em planejamento financeiro por que sentia que meus colegas de faculdade ( futuros profissionais de marketing) tinham pouco ou nenhum conhecimento de finanças e, desde cedo, eu sabia que, se eu fosse um diretor de marketing um dia, precisaria ter esse conhecimento.

Uma coisa que eu faria diferente é ter feito um intercâmbio de 6 meses ou 1 ano. Tive a oportunidade de estudar inglês por um mês nos Estados Unidos, mas se tivesse ficado por mais tempo, acredito que teria tido mais experiências diferentes para contar. Ainda assim, tenho muitas. Uma delas, que me gerou muito aprendizado, foi uma palestra na faculdade com o Prêmio Nobel Muhammad Yunus , em que ele falou sobre “Social Business” e a importância de microempreendedores em comunidades.

Mas antes de faculdade e de contato com pessoas de outros países, passei por uma transformação enorme. Em Fevereiro de 2012 minha avó (a da foto) descobriu um câncer de bexiga. Todo mundo sabe que câncer é uma doença horrível, mas só quem já viveu de perto consegue entender de verdade. Eu tinha 17 anos, era ano de vestibular e milhares de coisas passavam na minha cabeça. Minha avó se mudou para minha casa, e minha mãe, com ajuda de uma enfermeira, começou a cuidar dela. 6 meses depois ela faleceu. Durante esses 6 meses eu tive um amadurecimento gigantesco. Por conta das várias sessões de quimioterapia, eu e meu irmão (2 anos mais novo que eu) ficávamos sozinhos, e por ter pais separados eu acabei me tornando o “homem da casa”. Fora cuidar de meu irmão, eu tentei ser a rocha da minha mãe, ajudava com tudo, a apoiava e em todo momento possível tentava distrai-la, fazendo piadas ou brincadeiras, para amenizar o clima.

Falando sobre como as pessoas me veem posso definir em 3 palavras: observador, empático e solicito. Desde pequeno sempre ouvi de minha família e amigos de meus pais que eu era “Quietinho, mas estava de olho em tudo” e com o passar do tempo essa característica persiste. Antes de fazer qualquer coisa, observo o ambiente e procuro qual a melhor forma. Durante o curso de PNL recebi vários elogios relacionados a minha empatia e como era fácil fazer os exercícios comigo por causa disso. E a frase que mais marcou meu estágio foi “ O Gustavo te ajuda se você precisar”, e isso não vinha somente da minha área, praticamente todas as áreas que eu tinha contato (marketing, área médica, acesso, estratégia) davam esse feedback.

Meus principais hobbies são tocar guitarra e assistir filmes e séries. Mesmo não tendo mais tanta disponibilidade de horário, sempre tento pegar uma hora por semana para praticar. Um hobbie paralelo à guitarra é conhecer a história de quem escreveu as musicas e como escreveu, adoro ler biografias de músicos. Sobre filmes e séries tenho preferência por terror, comédia e ação. Fora isso, gosto de ler sobre mitologias (nórdicas,grega) e sobre comportamento.

Escolhi o Trainee da J&J por ser uma empresa gigantesca, com 3 segmentos de atuação bem estruturados e que está presente na vida de quase todo mundo, desde o nascimento até a velhice. Para minha carreira, penso em um dia ser um diretor de marketing e sempre causar impacto positivo na vida das pessoas. Acredito que na Johnson eu possa fazer isso.

Meu propósito de vida é ser feliz. Felicidade pode ser atingida de várias formas, mas a principal é fazendo o que você gosta. Gostaria de ser lembrado como referência de algo positivo, seja pessoal ou profissionalmente. É só o começo da minha trajetória e estou ansioso pelos desafios e conquistas que estão por vir.