Cansado de más notícias? Então comece a ler as boas.

O mundo nada mais é do que como vemos o mundo.

Depois de ter lido esse fantástico texto do Tales Luciano Duarte, no qual ele sabiamente disseca o motivo pelo qual empresas da grande mídia preferem inundar nossas timelines, TV’s e outros meios de comunicação com notícias aterrorizantes sobre como o mundo anda cada vez mais violento, sangrento e apocalíptico.

Achei ainda mais interessante um parágrafo do texto dele em que aponta uma técnica usada por jornalistas do mundo todo e pouco percebida por nós:

Entenda que quando um redator está fechando uma reportagem, ele não tem um intuito só de lhe informar, mas sim de chocar sua mente, ativar sentimentos instintivos (medo, raiva, tristeza) e esse sentimento irá lhe fazer se interessar a continuar vendo aquilo. E os sentimentos negativos são considerados os melhores para essas técnicas.

Mas aí você pode me perguntar: 
Mas existem reportagens que focam no bem, que trazem aquele sentimento de esperança e de que as coisas estão dando certo.

Concordo.

E penso o seguinte: nenhum noticiário — exceto esses programas inúteis e sensacionalistas do Datena e do Marcelo Rezende — foca exclusivamente em más notícias. E essa é uma teoria minha.

O Jornal Nacional, por exemplo: dentre as notícias principais sobre como a economia está instável, a taxa de desemprego é a maior em X anos, o escândalo Y nomeou mais 25 envolvidos para deporem, de repente aparece uma notícia sobre a vitória da seleção brasileira no amistoso contra o Senegal. Pronto. Há uma certa quebra que faz o público voltar a alimentar o complexo reptiliano (outro conceito bastante interessante que o Tales apresenta no texto dele).

E talvez esse comportamento seja uma estratégia proposital dos jornais e meios de comunicação de massa: mesclar notícias tristes, amedrontadoras, com algumas poucas (bem poucas), porém esperançosas notícias. Logicamente, estamos falando de um meio de comunicação que supostamente é isento de posicionamento político, econômico e social e cuja função maior é a de informar a verdade, da maneira mais imparcial possível.

Doce ilusão!

As exceções à regra

Já tem um tempo que conversei, em um grupo de amigos, sobre essa questão de frequentemente nos depararmos com um bombardeio de notícias negativas, todos os dias, o que o comprova ainda mais as ideias acima. E não são poucas as pessoas que têm essa sensação.

Acredito que dessa mesma sensação surgiram alguns sites bastante interessantes com uma proposta relativamente nova para o nosso Brasilzão: portais com notícias exclusivamente boas.

Site como Razões para Acreditar, Só Notícia Boa ou Jornal de Boas Notícias mostram que ainda há muuuuuitas boas novas a serem transmitidas. Na verdade, cada dia mais o mundo e a sociedade têm ampliado o número de coisas boas acontecendo.

Mas por que isso é bom?

Se é bom ou não, não consigo dizer. Não fiz nenhuma pesquisa científica e não sei se existe alguma (fique a vontade para postá-la nos comentários) provando que ler notícias boas faz você necessariamente se tornar uma pessoa boa. Não.

No entanto, uma coisa é possível dizer: ler más notícias não tem trazido absolutamente nada de bom para a minha vida. Parece exatamente o contrário: com as notícias ruins, vejo um mundo caótico, depressivo e violento. Mas o mundo definitivamente não é só isso. Na realidade, é muito mais que isso. Vide todos os dados que o Tales apresenta em seu texto.

Muita gente pode afirmar: mas pensar assim é se enganar e fingir que tudo está ótimo e não existem problemas no mundo.

Para essa afirmação tenho 2 respostas:

  1. Não deixo de enxergar as realidades cruéis do mundo só porque leio notícias boas todos os dias. Deixo de pensar que o mundo é apenas cruel e apocalíptico e vejo que existem saídas, existe esperança, mesmo com todos os jornais apontando para o outro lado.
  2. Eu não me sinto bem vendo notícias negativas. E fui perceber isso apenas depois que li sobre o assunto. Antes era como se eu estivesse entorpecido, assistindo o noticiário só porque alguém deixou naquele canal. Era como se eu estivesse travado.

A ideia é que ler, transmitir e compartilhar boas notícias no seu dia, pode trazer boas energias para você e para quem está do seu lado. E não adianta: só mudamos o mundo, se mudamos nós mesmos.

Mas isso é papo para um outro post.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.