Problemas financeiros: Os 3 maiores vilões

Você têm medo que seus problemas financeiros interfiram em seu relacionamento com sua família?

Além dos problemas no trabalho, você ainda tem que justificar o descontrole financeiro para sua esposa ou esposo?

Sua sensação é de que esses problemas financeiros estão se tornando em uma verdadeira bola de neve?

CALMA! CALMA!

Você NÃO está sozinho nessa e SIM, existe uma luz no fim do túnel.

Esse ano o SERASA Experian encomendou uma pesquisa que revelou que mais de 60 milhões de brasileiros se encontram inadimplentes. E qual será o motivo para esse número ser tão grande e ter aumentado nos últimos anos?

É isso que iremos abordar a seguir. Separamos os principais vilões que podem estar atrapalhando seu controle financeiro e vamos apresentar até o final desse artigo soluções práticas para que você saia dessa

Preparado? Papel e caneta na mão e #partiu resolver seus problemas financeiros.

Vilão #1 — Dívidas

Eu sei, o Brasil está passando por um momento econômico conturbado e isso com certeza favorece o aumento do endividamento, porém, colocar a culpa apenas nisso não é o correto.

De maneira geral, não temos o hábito de poupar dinheiro. Nós, muitas vezes, gastamos mais do que ganhamos e quanto mais aumenta nosso salário, mais aumentamos nosso padrão de vida e nossos gastos.

É uma questão de hábito começar uma reserva financeira, e devemos fazer isso quando as finanças estão ok.

Eu costumo dizer que ter uma reserva financeira é evitar imprevistos e digo isso porque quando não temos uma reserva financeira, basta que o carro quebre, uma pequena reforma precise ser feita em casa ou coisas mais graves como emergências médicas e perda de emprego aconteçam para que as dívidas tomem grandes proporções.

Se você está numa situação de endividamento, ficar lamentando e esperando que uma solução caia no seu colo não irá resolver seu problema.

Caso as dívidas sejam o seu problema financeiro, recomendo o Minicurso Gratuito que desenvolvemos chamado “Como sair das dívidas em tempos de crise”.

Com certeza essas duas vídeo-aulas irão ajuda-lo a “colocar a casa” em ordem.

Vilão #2 — Desemprego

Falamos a pouco de evitar imprevistos e o desemprego é um desses imprevistos. 2016 registrou o maior índice de desemprego dos últimos 10 anos e a taxa de desocupação chegou a 11,2% no mês de maio. São mais de 11 milhões de desempregados.

Acabou de ser mandado embora?

O ideal é que utilize os recursos do FGTS e da multa da rescisão como fundo de emergência para bancar suas despesas mensais.

Sabe aquele carro novo que estava pensando em comprar? Então, sinto lhe informar, mas agora vai ter que esperar para trocar ou comprar um carro.

Em relação as suas despesas mensais, pisar no freio é a melhor recomendação até que se recoloque no mercado de trabalho.

Algumas alternativas para você enxugar os gastos são:

  • Cortar despesas supérfluas;
  • Cortar TV a cabo;
  • Evitar de comer fora;
  • Ao invés de ir ao cinema, assista a um filme em casa mesmo;

Lembre-se, essas medidas são temporárias até que você conquiste um novo emprego. Explique para toda a família sobre a situação e peça a compreensão de todos.

Controle de maneira minuciosa seu orçamento mensal, anotando todos seus gastos e despesas mensais. Isso pode ser feito em uma agenda, em um aplicativo de controle financeiro ou na nossa planilha de gastos gratuita.

Seja por meio do seguro-desemprego ou reserva financeira, saber o quanto pode gastar por mês o ajudará a traçar um plano de recolocação no mercado.

Ah, nem preciso dizer que evitar contrair novas dívidas está incluso nesse pacote né? Hehe

Uma dica é aproveitar algum conhecimento específico seu para obter uma renda extra, pode ser a execução de algum serviço que tenha domínio ou então uma consultoria sobre essa inteligência.

Lembre-se que conhecimento é sempre bem vindo, existem muitos cursos gratuitos na internet ou presenciais que podem agregar valor para sua experiência profissional e até mesmo acelerar sua recolocação no mercado, fique ligado para essas oportunidades.

Sobre esse momento de desemprego, escrevemos um artigo chamado “Como se reinventar na crise” Vale a pena a leitura para inspirar-se.

Vilão #3 — Consumismo exagerado

Já falamos nesse outro artigo sobre as causas e influências no consumo. Basicamente, compramos porque estamos influenciados emocionalmente a comprar, é como se fosse uma gratificação instantânea atrelada ao prazer imediato de consumir algo.

Não estamos falando aqui de produtos básicos de sobrevivência, como: comida, bebida, medicamento, produtos de higiene, essas coisas.

A idéia aqui é conscientizar você de que compras acima da sua capacidade de pagamento podem comprometer a sua saúde financeira.

Aquela sensação imediata de bem estar e realização ao comprar coisas além do seu padrão de vida, vai embora quando chega a fatura do cartão de crédito para pagar. É ai que os problemas começam a aparecer.

Você decidiu por comprar e satisfazer uma necessidade momentânea, porém, naquele momento não pensamos que comprar aquele produto ou serviço pudesse interferir de forma negativa em nosso bolso.

O destino de pessoas que consomem além da conta todos nós já sabemos: Dívidas em excesso.

Dificilmente pessoas que não tem autocontrole em relação ao consumismo vão obter sucesso financeiro ao longo da vida.

Se você quiser enriquecer, é preciso parar de pensar no “prazer momentâneo” e foque na gratificação a longo prazo.

Isso é um dos conceitos aprendidos no livro The Millionaire Next Door do Thomas Stanley e William Danko.

No livro, eles fala um pouco mais sobre como os ricos pensam, ou seja, como é o DNA das pessoas que conseguiram abundância financeira, e um dos ensinamentos é que

Os ricos vivem abaixo das suas posses

Ou seja, eles gastam menos do que ganham.

Se até os ricos gastam menos do que ganham, nós é que não vamos arriscar gastar mais do que nosso salário permite, certo? Rs

Um tempo atrás eu gravei um vídeo chamado “Por que os ricos prosperam”falando um pouco mais sobre isso, vale a pena a reflexão.


Conclusão

Provavelmente, os problemas financeiros enfrentados hoje por você não são ocasionados por sua culpa, afinal a grande maioria de nós não possui educação financeira.

Lembra que no começo do texto falei sobre uma luz no fim do túnel?

Pois bem, se você está lendo esse artigo até aqui significa que você está consciente sobre seus problemas financeiros e isso é bom, pois a maioria das pessoas tem dificuldade em aceitar isso.

Ter consciência do problema é bom, porém, não é o suficiente.

É preciso tomar uma atitude agora para que sua situação financeira melhore, e como você viu no artigo existe sim uma alternativa para isso, e é através doconhecimento que você irá conseguir solucionar seus problemas financeiros.

Novidade: Curso Oficial Educação Financeira — Meu Bolso Azul

Além de todas as dicas valiosas tratadas no artigo, tenho uma grande novidade para contar.

Nos últimos meses tenho trabalhado bastante na produção de um curso online sobre Educação Financeira e alguns assinantes aqui do Meu Bolso Azul já estão sabendo e já tiveram acesso a esse conteúdo exclusivo.

Estamos em fase de lançamento e caso você tenha interesse em ser o(a) primeiro(a) a adquirir o curso e garantir o valor de lançamento, é só acessar esse link.

Eai, quer cuidar melhor do seu dinheiro?

Talvez com esse curso eu possa te ajudar com isso, mas, eu não vou ficar falando muito por aqui não…

Montei uma página exclusiva com todas as informações referentes ao curso e também uma surpresa que quase ninguém faz por aí rsrs

Disponibilizei, nessa página, uma aula do curso GRATUITA para quem quiser “testar” se o conteúdo é de valor ou não, garanto que essa aula irá surpreender e trazer conhecimento para você

Vou ficando por aqui.

Aqui está novamente o link para as informações do curso + Aula gratuita:

http://www.infocurso.meubolsoazul.com.br/

Grande Abraço.

Originally published at meubolsoazul.com.br on June 16, 2016.