Pau no cu do réveillon

Dia primeiro de janeiro de 2018; cinco e quarenta e nove da manhã.

Depois de uma ceia de reveillón, várias cervejas, uma guerra de bexigas da água, uma virada de ano, duas extenuantes partidas de Imagem&Ação e um beck, decidi escrever no meu diário as coisas as quais quero dar atenção neste ano. Foram oito:

1. Trabalhar na ET;

2. Trabalhar com freelas;

3. Fazer faculdade;

4. Andar mais de bike;

5. Praticar escalada;

6. Estudar violão clássico;

7. Focar em desenvolvimento pessoal e espiritual e

8. Estar em um relacionamento amoroso.

Me senti instantaneamente estúpida a hora que abaixei a caneta. Decidi apenas por responder ironicamente a mim mesma. Não espere muito disto:

1. Trabalhar na ET, porque um trabalho com carteira assinada, de segunda a sexta, você não encontra em qualquer esquina. Não é não? Mesmo que você não goste muito dele e que ele te faça chorar de vez em quando, continue firme e forte garantindo seu cascalho. Eu sei que é chato se sentir em um regime de prisão semiaberta, mas ninguém vai te pagar um salário se não puder mandar em você.

2. Trabalhar com freelas, mesmo não sabendo muito bem o que está fazendo. Já sei que você passa o dia inteiro fora de casa em função de outro trabalho e coisas além. Mesmo assim, você pode reduzir seu sono, usar seus horários de almoço ou qualquer outra janela no seu dia. Na próxima vez que for cagar, tente levar ao banheiro seu notebook ao invés de um romance de Elena Ferrante.

3. Fazer faculdade, de alguma forma. Claro que ao começar um curso de graduação, você terá que escolher entre os freelas, que demorou para conquistar, e seu trabalho CLT. Lembrando que essa escolha implica diretamente no seu salário e, consequentemente, se terá um 2018 pobre ou classe média. Um segredinho: lá no fundo eu confio em você e sei que vai conseguir lidar com seus dois trabalhos mais a faculdade! (ou pelo menos vai tentar até virar uma caveira seca).

4. Andar mais de bike, porque você definitivamente andou pouco em 2017 e está gorda. Não me importa saber que você trabalha do outro lado da cidade, que precisa se vestir formalzinha ou que é frio pra caralho no inverno. Meu parâmetro é 2016, quando você não fazia nada e só pedalava o dia inteiro. Colher de chá: meta 100 quilômetros por semana. Fechado? Vou conferir no Strava. Saiba que tentei encaixar tempo para a academia, antes do serviço, mas achei que talvez fosse ficar pesado. Para matar dois coelhos com uma só cajadada: transporte urbano mais atividade física. E evite dar bandeira com sua bicicleta cromada ali na região da PUC, saindo da faculdade às onze da noite. Talvez alguém tente te assaltar, eventualmente. Não permita isto! Você não tem dinheiro para comprar outra.

5. Praticar escalada, porque é muito foda. Você conseguiu um ótimo cliente — parabéns — e agora pode praticar escalada de segunda a sábado. Eu sei que andar de bike não vai ser suficiente e cansei dos seus braços flácidos. A programação é escalar uma horinha depois do trabalho. Ainda não pensei muito bem como conciliar o esporte com os freelas e a faculdade. Mas na hora tudo vai se encaixar, você vai ver. Ah! Quero lembrar que você permutou seu trabalho pela mensalidade, então se você desistir: vai trabalhar de graça.

6. Estudar violão clássico, porque é maravilhoso. Eu sei que você quer muito e sua ansiedade millennial não te permitiria aceitar que este é um aprendizado para outro momento. Agora você está matriculada no Conservatório de Música Popular Brasileira de Curitiba e suas aulas começam em fevereiro, aos sábados. Talvez você não possa mais viajar nos finais de semana… mas ei: tocar Chico Buarque não é para qualquer um, em? O curso dura apenas quatro anos (assim você termina junto com a faculdade). Espero que ache tempo para praticar durante a semana. Seria bem chato ter que desistir de um baita hobby e se sentir preguiçosa, incapaz ou descomprometida com algo que era tão idealizado e inocente.

7. Focar em desenvolvimento pessoal e espiritual, mas sem muito esforço. Você só precisa ir uma vez por semana a um centro budista meditar. Assim como em outras metas, a possibilidade de precisar estar fisicamente em outros lugares será discutida no momento oportuno. Mas de qualquer forma, todo momento é oportuno para o desenvolvimento pessoal e espiritual. É tudo uma questão de mindset e mindfullness. Você pode acordar meia horinha mais cedo e fazer uma prática de yoga antes de qualquer coisa. Gabriel Goffi faria isso e depois tomaria um café high stakes bulletproof. Ah! E pare de olhar o Instagram… a vida real não é aquilo que mostram na rede social e a indústria do espírito é patética. Mas se por algum motivo sua vida parecer perfeita não deixe de fazer uma story.

8. Estar em um relacionamento amoroso, mesmo sendo completamente imatura e despreparada para esse tipo de coisa. Evite racionalizar sobre o assunto. Aproveite para dar muito sem usar camisinha, porque assim é mais gostoso! Em caso de DST, nem sempre ele transou com outra. Daddy issues não existem. Requisito: mínimo 35 anos. Você super saberia reconhecer e encerrar um relacionamento abusivo. …Né?! No mais, não me responsabilizo por qualquer disfunção psicológica.

Claro que tenho mais um ou outro micro objetivo que pode ser alcançado em 2018, tipo: parar de beber, parar de fumar maconha, escrever constantemente e alimentar um blog, arrumar a cama todos os dias de manhã, ter uma alimentação vegan, conquistar uma pele de pêssego, economizar muito dinheiro, aprender a lidar com dinheiro, parar de cair no cheque especial, passar o fio-dental todo dia, ler bastante, estar sempre de unhas e sobrancelhas feitas, participar ativamente do movimento feminista, não deixar o quarto ficar bagunçado, centralizar meus chacras, não ficar doente, não ser vacilona com os amigos, constar nos roles e me vestir bem.

Fazendo parte de uma geração que é traumatizada já no café da manhã, quero que o ano novo vá tomar no cu. Virada, metas, realizações, objetivos, desejos. Um enorme balde de banha de cozinha industrial, cheio de ansiedade, prontinho para ser derramado na sua cabeça na hora que o relógio aponta meia noite.

Desejo que em 2018 você pegue leve. Vou tentar por aqui também.

Like what you read? Give Giovanna de Moraes a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.