Alma despedaçada, às vezes estruturada

Ela deixava uma parte de si para cada um.
Nunca pensara em roubar uma parte de todos para si.

Era incompleta, tão poucas vezes decidida.
O vento era o bastante para levar seus sentimentos.

Às vezes, acordava e se libertava.
Às vezes, a liberdade a acordava.

3 ou 5 cigarros transbordavam sua mente.
Bastava um pensamento para dar as mãos a solidão.

Carregava lágrimas e sorrisos.
Deixava largado seus abraços e carinhos.

Naturalmente se apaixonava.
Consequentemente se machucava.

Só precisava de um minuto para se reerguer.
Mas ainda faltara aprender: como se reerguer sem deixar um pouco de sua alma despedaçada?