Obrigada, Rey

Rey, a protagonista do filme Star Wars — O Despertar da Força veio com tudo: muita coragem, determinação, força, beleza.. E nos ensina muitas coisas.

Eu amo o Homem-aranha, o Batman, adoro o Flash.. mas não consigo me ver neles, infelizmente. Essa é a importância de uma personagem como a Rey, como a Furiosa em “Mad Max”, e como a própria Leia, na trilogia clássica de Star Wars. Poder ver um filme de alcance tão grande, mundial, e ter uma personagem tão forte, onde eu consigo me ver nela, e consigo sentir, é incrível e indescritível. Representatividade nos filmes é algo muito importante. Gostaria que todos entendessem o que é conseguir, finalmente, se ver em tela. Não é besteira, imagine o tanto de crianças que se inspirarão nessas personagens e na força delas, uma geração de meninas mais fortes e seguras de si. Uma geração de meninas que brincam mais de salvar o mundo com seu sabre de luz, que de ter uma casa, lavar a louça, etc. Não entendam mal, elas podem sim brincar de casinha, mas não só isso, elas precisam saber que também são fortes o suficiente para brincar de salvar o mundo; brincar do que quiser. Uma geração de mulheres mais seguras de si.

Rey nos ensina a não ter medo do desconhecido, a não desistir de quem amamos, mas saber a hora e onde procurar essas pessoas. Nos ensina a ter força, a deixar essa força despertar na gente. A não abaixar a cabeça para a vida. Que não importa quem você é, e você pode até ser apenas uma sucateira, mas a força é tão forte em você que isso te move, e te faz sobreviver, e quem sabe, futuramente, viver. Obrigada, Rey, por ser quem é, por me inspirar como me inspira.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.