Tá tudo bem, Hanna.

Se eu pudesse dizer algo pra Hanna de 5 anos atrás, eu diria que tá tudo bem. Que o corpo dela é normal, que ela é bonita sim, que não tem nada de errado nas pernas não tão grossas dela, que não tem nada de errado no cabelo. Não tem nada de errado em não parecer com as pessoas que ela via no Instagram e nas redes sociais, que não tem nada de errado em não ter o “corpão de mulher” que ela esperaria ter quando completasse 18 anos. Que não tem absolutamente nada errado em absolutamente nada nela, que ela tá ótima, que ela não precisa se comparar a ninguém, que ela só faz mal a si mesma fazendo isso. Que ela não precisa deixar de sair, deixar de ir a praia ou chorar tanto por algo que não existia.

E daqui há 5 anos eu olharia pra Hanna de hoje, e diria que tá tudo bem também ela ter algumas recaídas de auto estima. Diria aos meus pais desculpas por algumas vezes o mau humor sem aparente explicação. Às vezes uma palavra acabava com seu dia e ela sabe que reagia exageradamente com quem nem tinha nada a ver, mas tá tudo bem. Tá tudo bem com ela e com a vida dela. Eu diria que essa Hanna tá indo bem, que ela sem dúvidas tá indo MUITO bem. Diria muito obrigada por ela ter começado a dar tanto valor a si mesma. E que ela só precisa respirar alguns segundos às vezes.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.