Por aí — Osaka

22 de maio — Há um trem que sai direto de Nara e vai para Osaka (JR-Namba). O final de tarde estava quente e para minha sorte, minha próxima acomodação era próxima à estação. Novamente, um quarto compacto mas com tudo que precisava. Como já era tarde, aproveitei para descansar e iniciar o dia cedo na próxima manhã.

O café da manhã do hotel não era dos melhores, mas ajudou forrar o estômago. Mais um dia de muito calor pela frente, que se iniciou por uma visita ao Hakuras, um observatório de sessenta (60) andares! A vista é de tirar o fôlego, mas infelizmente havia muitas nuvens e nebulosidade. No hall de entrada há um jardim onde é possível ouvir diversos hits de animes famosos no Japão durante uma pausa para descanso.

Era hora de rumar para o castelo de Osaka. Rodeado por jardins e passeios de barco, o monumento é deslumbrante. A grana estava curta e infelizmente não entrei para ver a parte interior (fica a dica, no Japão muitos passeios lhe custarão muitos yens!). Depois de uma longa caminhada, experimentei o metrô local (que felizmente aceitava o meu Suica Card, encontrei um local para almoçar, retornei ao hotel para pegar minhas malas e seguir para meu próximo destino — Hiroshima.

Infelizmente não tive muito tempo em Osaka. Os templos Hozen-ji e Ikukunitana ficarão para a próxima viagem. Mas antes de deixar a cidade, uma pausa no Centro Pokémon! Toda vez que via um, entrava e apreciava os itens. Um dos atendentes estava presenteado os visitantes com orelhas decorativas das evoluções do Eevee — ganhei as orelhas do Espeon.

Hora de pegar o Shinkansen para Hiroshima — e na estação, meu parceiro de viagem e eu notamos que as reservas de hotel estavam com as datas erradas! Ó, não! Como isso foi acontecer? Corremos e arranjamos um outro local, às pressas. Encontramos a plataforma correta e embarcamos no trem. A aventura de Hiroshima fica para o próximo post. Obrigada por ler!

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Hanneli Tavante’s story.