Por aí — Zurich

29 de abril — um trem super conveniente me levou da estação Barcelona-Sants até o aeroporto de Barcelona, onde embarquei para Zurich com a Vueling. As companhias super lowcost presentes na Europa são bastante convenientes, só dói um pouco no bolso para despachar a mala.

Poucas horas depois era hora de pousar em Zurich. Um casal de amigos teve a generosidade imensa de me ter como hóspede por duas noites. A Suíça me impressiona pelo transporte público — é possível chegar a pequenos vilarejos sem dificuldade alguma. Por volta das 21h peguei um ônibus no terminal do aeroporto e convenientemente cheguei ao apartamento.

A conveniência, entretanto, vem em troca de um preço alto — comida, cafés e bilhetes de trem são muito caros em Zurich — e na Suíça como um todo.

Após apreciar a estante de livros dos meus hosts, parti para o centro da cidade. Pretendia pegar o tram do vilarejo até Zurich, mas infelizmente me confundi ao comprar o bilhete na estação e paguei 25 francos por um ticket para sei-lá-onde. Dica valiosa — releia a localidade demarcada nas máquinas antes de confirmar; nomes em alemão podem ser não ser claros à primeira leitura! Dirigi-me à estação central (HB) e felizmente uma agente de transportes teve a bondade de substituir meu bilhete incorreto por um passe diário de transportes para diminuir o prejuízo, após me aconselhar a ter mais atenção com os tickets. Faz parte!

O dia estava lindo e o frio se ausentou por algumas horas. Zurich possui maravilhosas paisagens: recomendo fortemente um passeio pelo lago (é gratuito). Encontrar algum local para comer é um desafio: o preço dos restaurantes para nós, da América do Sul, não é convidativo. Uma boa estratégia é comprar alguns snacks no supermercado para encher o estômago.

Meus hosts me encontrara para um almoço tardio de domingo e tivemos uma agradável conversa. Algumas horas mais tarde, voltamos ao apartamento, onde descansei por algumas horas antes de partir bem cedo rumo à estação central para pegar o trem que me levaria até Berlin.

Mas essa aventura fica para o próximo post. Obrigada por ler!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.