Já não sei mais de onde vim,
Muito menos para onde vou;
Meu sangue seca sobre minha pele,
Minhas lágrimas também.

Um ar frio me envolve,
Frio como o raiar de um novo dia de angústia.
Já estive aqui,
E para sempre estarei.


Quem dera eu pudesse
Extrair todo o ódio que reside em mim,
Destilá-lo, e beber!

Beber da morte que você plantou em minha vida,
Morrer a vida que você arruinou.

Brindemos à morte,
A única coisa digna,
Justa,
Leal
E verdadeira

Neste sombrio mundo de mentiras.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Kevin A. Medeiros’s story.