Eu não tenho mais vontade de viver.

E escrevo isso enquanto trabalho. Nada mais me interessa. Nada mais.
Nem comunismo, nem filosofia, nem planos de organização horizontal social. 
Nada mais.
Nem amigos, nem família, nem os amores que mantive aos cacos. 
Nada mais.
Nem eu, nem minha mente adoecida, nem meu pulmão preto de fumaça.
Nada-nada-nada mais.

Eu não tenho mais vontade de viver porque parece que já vi e vivi tudo*. E se isso é a realidade, não estou interessada.

*obviamente dentro de uma caixa de limitações sociais, culturais e econômicas.