de-terminar a si mesmo — Uma análise transhumanistica.

Os seres humanos, por sua própria natureza, são construtores de instrumentos. Reajustamos e alteramos continuamente o meio ambiente para assegurar nosso bem-estar. Com o êxito da Biotecnologia diversos impasses acerca da satisfação e melhoramento humano foram superados, um poder cada vez mais carente de responsabilidade, portanto algumas questões filosóficas e bioéticas passaram a ter maior relevância não só para as pesquisas científicas, mas também reflexões no que diz respeito antropológico social e político. O desejo incessante de diminuir e aniquilar a angústia humana fez estudantes científicos não se atentarem para o ambiente póstero que está sendo aos poucos elaborado: a ausência de morte, ou a escolha dela, “de-terminar a si mesmo”. Isso claramente servirá de margem para uma sociedade segregada e posteriormente o extermínio de dadas populações dando entrada a “pós-humanidade”. As problemáticas giram em torno de todos os aspectos da nossa vida pois afetará diretamente nossa forma de relacionarmos. A revolução biotecnológica obrigará a cada um de nós a espelhar seus valores mais íntimos, levando-nos a ponderar sobre a questão máxima da finalidade e sentido da existência, essa poderá ser sua mais importante contribuição. ( 2002, J. Rifkin)

  • O transhumanismo é uma filosofia (ou movimento intelectual) que visa analisar e melhorar a condição humana a partir do uso de ciência e tecnologia (biotecnologia, nanotecnologia e neurotecnologia) para aumentar a capacidade cognitiva e superar limitações físicas e psicológicas.