A Sorte Grande.

Entre destroços e pedidos de socorro
Tu partiu e eu fiquei . . .

Sabe, eu me considerava um indivíduo de muita sorte. Pois, nunca achei que encontraria alguém que eu quisesse realmente levar pro mundo a fora.

E você. Ahh. . . você foi meu "full house", na rodada de poker que decidiria se eu faria uma viagem no maior navio do mundo.

E sim, eu ganhei! Foi tão simples, foi tão . . . tão certo de ser.
"Você pula eu pulo" dizíamos isso na proa do grande navio.
E nesse mesmo lugar, com a sorte me abrindo os braços eu disse: Eu sou o rei do mundo.

Não havia nada que eu não pudesse fazer. Afinal, eu tinha sorte. A sorte grande.
O frio e a água congelante do oceano não me amedrontavam. Até então. . .

Ele estava calmo, o grande navio navegava em uma boa velocidade. Era escuro e frio, acendemos um cigarro. E entre tragos e risadas uma forte colisão aconteceu.
Um grande iceberg, escondido na imensidão gélida e escura dessas águas devastou com o grande navio.

A água estava inundando um compartimento de cada vez. Silenciosamente, como se não quisesse ser percebida.
E quando me dei conta, o grande navio estava fadado ao naufrágio.
Minha sorte se foi? Não, não ainda.

Correr para o ponto mais alto era a única alternativa que tínhamos. E la estávamos nós, ganhando um pouco mais de tempo para este fim certo. E a cada segundo que passava, o grande navio era engolido pelas águas torrenciais desse mar escuro e profundo.

A água era tão gelada que parecia como se eu estivesse levando dez mil facadas pelo meu corpo. 
Continuar ali, nessas condições era pedir pra morrer. Droga, onde estão os botes?!

A minha sorte está sobre um pedaço de destroço que sobrou do naufrágio.
Meu corpo treme, eu sinto um aperto no peito, mas ainda não é hora de entregar os pontos.

Não desista, vamos sair dessa, isso não acaba aqui. Você pula eu pulo, lembra?
O silêncio começa a se fazer mais presente, mas ainda ouço você cantar.

Percebo que tracei meu próprio fim. 
Aceito meu destino, mesmo morrendo de medo do que está por vir.
Veja, um bote.
Ei volte, volte aqui.

E entre destroços e pedidos de socorro
Tu partiu e eu fiquei . . .

Like what you read? Give Hedy Pereira a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.