SEU CHICO

Aquele homem, conhecido como Seu Chico, entra no banco de camisa social de botão, shorts, com uma sandália no pé do “estilo” São Francisco, com um chapéu de massa. Com todo certeza imaginamos um nordestino entrando no banco para sacar seu Bolsa Família.

Esse é o estereótipo de nordestinos que temos como concepção no nosso país, conhecidos como “o cabra macho” ou “a mulher arretada”, geralmente, com um preconceito de que eles são “burros” e “ignorantes”, quase como se fossem de outros país, alias o sul canarinho já teve seus pensamentos separatistas para deixar de lado os Estados que “atrasam” o progresso do país, mas isso é algo que deixaremos para uma próxima história.

Já nos perguntamos o porquê desse preconceito com o Seu Chico e com o seu povo?

O mesmo povo que ajudou a construir esse país, que deixou sua terra mãe para tentar a vida em um lugar desconhecido, muitas vezes com toda sua família.

Olhamos com indiferença para o povo sofrido de Seu Chico, muitas vezes esquecidos pelos seus governantes, que só querem uma melhor condição de vida, uma ascensão social. Hoje filhos de faxineiros, pedreiros, pintores, entre outros, estão em faculdades cultivando o que seus pais plantaram durante toda a vida, e na maioria das vezes, esses filhos são os primeiros da família a completarem um curso superior ou, até mesmo, o ensino fundamental e médio.

Por que tanta indiferença com o Seu Chico e seus conterrâneos? Temos medo que eles roubem nosso lugar? E, por que “eles”? Afinal, somos do mesmo país, da mesma terra e sofremos com as mesmas coisas.

Será mesmo que se colocar superior a um compatriota só porque você é de um Estado e ele de outro é uma atitude digna de um cidadão? Ou será que, isso são características que promovem barbáries e exclusão?

Somos de várias culturas, de vários povos, línguas, cores, tamanhos… Somos de vários “brasis”, mas juntos formamos um povo forte e lutador, não podemos deixar isso morrer e muito menos deixar que o Seu Chico se sinta mal ao ir a um banco sacar sua sofrida aposentadoria.

Like what you read? Give Heitor Guirão a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.