FELIZ DIA DAS MÃES!

Minha mãe, D. Sidônia, uma querida, octogenária, dinâmica, criativa, disposta, pueril… senhora é, também, muito impaciente. Paralelo às suas muitas (e férteis!) ideias, há a exigência de imediata execução.

Trouxe-me, há alguns meses, uma capa de almofada. Verde. Queria que eu a pintasse “oportunamente”. Queria dispô-la sobre sua cama. Levei muito a sério o caráter não emergencial da obra. Na minha pilha de prioridades, fui juntando muitas outras tarefas.

Somos vizinhas. Quando me apercebe em casa, liga, ou me brinda com inúmeras e rápidas visitas. No telefone, às vezes, ao atender, escuto “Eu só queria ver, se estarias em casa”!

Então começaram as vindas com o pretexto de saber, se a almofada já estava pronta. Não, nunca estava. A filha desnaturada que sou começou a “se tocar”! Pintaria-a, enfim, em seguida. Realmente, quis fazê-lo, mas percebi que o tecido precisaria de uma base branca, já seca, antes que eu pudesse dispor as outras cores. Foi o que fiz: a base branca.

A última justificativa conteve-a. Antes, chegou a ameaçar que a pegaria de volta. Com a pintura começada, nunca mais perguntou. Acho que esqueceu. Mas na semana que antecedeu o Dia das Mães, achei que meu tempo seria seu melhor presente: usei a manhã de sexta-feira para pintar enormes flores na almofada de D. Sidônia. Enormes para que seus olhos diagnosticados com 20% de visão pudessem enxergar.

E ela apareceu, enquanto eu pintava. E apareceu, mais uma vez, para ver, se já estava pronta. Quando, enfim, entreguei meu presente, ela aproximou-o dos olhos e disse feliz, como uma criança:

- Que lindo! Nossa, Helena, tu fazes isto tão bem! Tu deverias te dedicar só a isto e parar de dar aula!

- Por que, mãe? Tu achas que “aula eu não dou bem”?

Só deu uma risada. Mas eu entendi. Se eu parasse de dar aula, eu estaria sempre aqui.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.