Resoluções de ano novo

Todo começo de dezembro a gente lembra que não cumpriu nem metade das resoluções de ano novo do ano já velho. No meio do mês ninguém quer prometer nada pra não se frustrar de novo. Então, brota de algum lugar uma esperança coletiva de que no novo ano novo tudo será diferente. Por todos os lados que se olha tem gente apostando todas as fichas na virada. Deposita-se uma confiança quase messiânica no ano novo, como se ele fosse o Lula, sabe? E quem volta com força total? Elas, as resoluções.

Aí é que maluquice começa. O que tem de gente que toma duas latas do refrigerante preto com a cara da Pabllo Vittar por dia prometendo parar de tomar refrigerante no ano novo é inacreditável. Outros, que quase infartam quando o elevador quebra, decidem fazer academia 3 vezes por semana. No caso da academia é um pouco pior, né? É. A pessoa vai alucinada assinando o plano anual cheio de multa de cancelamento. O resultado disso, conhecemos. As vezes o indivíduo está louco nas resoluções.

Como um dos objetivos desse humilde, porém pretensioso espaço é dar pitaco na vida alheia. Sim. Esse é um dos objetivos. Sim. Desculpe. Mas, é. Vamos ao pitaco de ano novo. A ideia é genial, viu? Tem que se preparar pra absorver. Atenção! Lá vai! Que tal se a gente fizer resoluções com alguma chance de serem cumpridas? Woow! Falei que complexo. [pausa pro leitor absorver]. Era só isso mesmo.

Se a pessoa que é a louca do refrigerante preto com a cara da Pabllo Vittar quer melhorar, ao invés de falar que não vai mais comer poderia se colocar um limite de tomar 1 vez por semana, por exemplo. O mesmo vale pra academia, se a pessoa entende mais de elevador do que de aplicativo pra celular poderia começar optando por deixar de lado a escada rolante e o elevador e usando a escada fixa. Aí, ano que vem aumenta o nível e pode ser que no ano seguinte a academia role normalmente, sem precisar fazer resolução. Ou não. Não tô prometendo nada. Mas, a coisa do plano anual com multas nunca será uma boa ideia. Sério!

Outra resolução interessantíssima de ano novo para se fazer é ignorar completamente textos como esse. Textos cheios de pitaco de gente que não resolve as próprias questões, mas estão completamente aptas a dar opiniões embasadas em pesquisas do instituto data cú. Pronto! Essa a principal dica de ano novo! Pode ignorar os parágrafos acima. Sério! Foco aqui! É só ficar deboa o máximo que puder e seguir o baile. Se der tudo errado tenta lembrar que em dezembro dá o negócio da esperança Lulistica volta e a gente refaz as resoluções.

A imagem é do Google mesmo, né? Celular não faz essas fotos boas não.
Like what you read? Give Helen Almeida a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.