amor à distância… por que tão difícil?

a maior distância que já vi, não é aquela que nos faz atravessar cidades, estados ou países pra encontrar, pele a pele e olho no olho, alguém que ama. de longe, o amor que permanece distante pode acontecer nos lugares rotineiros em que habitamos, com pessoas que fazem parte do nosso dia a dia.

o amor à distância que me refiro, é aquele que sentimos e não podemos compartilhar, aquele que fica intacto em um espaço importante e considerável do coração, que preferimos deixar adormecido, para que não venha a nos incomodar em momentos e lugares inoportunos.

o amor o qual refiro, é aquele que não me permite a imaginar, em dimensão ou plano espiritual qualquer, o fim. faz parte do conformismo com o eu interior saber que, independente do que aconteça, existirá aquele sentimento petrificado e eternizado em mim. e, no mais, o amor que me refiro jamais pode ser explicado, exemplificado ou sequer quantificado, porque não existem palavras que possam descrever o sentimento. a palavra tem esse singelo significado. sabemos que ele existe, o quanto consegue nos deixar felizes e tristes (na mesma intensidade, em um curto espaço de tempo), o quanto sobrevive, mesmo com todos os obstáculos do mundo à frente, e o quanto não existem palavras para o explicá-lo, pois nunca chegará nem perto do suficiente do que realmente representa. o amor está presente em cada um, a partir do momento que é sentido, e isso já é o bastante para se explicar.

a distância que me refiro é aquela que mantemos muitas vezes com quem mais está perto de nós, e que nem percebemos. seria, principalmente, a inexistência de um contato profundo, do tipo que podemos olhar para alguém e, com um contato visual, já conseguir traduzir tudo o que está explícito nos olhos dessa pessoa. a distância que me refiro, tem a ver com aquele vazio que sentimos quando percebemos que nunca nada será como antes, e que não posso simplesmente sentir a liberdade de contar sobre como foi o meu dia, por mais bobo que tenha sido.

o ato de amar à distância chega a ser complicado e cansativo, por isso tão difícil. culminar e cuidar de um sentimento tão forte e requerido como esse exige um cuidado fenomenal, e é preciso de muita energia disponível para mantê-lo.

além de tudo, é um ato feito sozinho. sem ajuda, suporte ou um meio de escape. se ninguém pode amar uma pessoa no nosso lugar, muito menos poderá cuidar de um sentimento que pode nos afetar tanto. isso o torna muito trabalhoso, muito único. essa distância, de todas, sem dúvidas, é a mais difícil.

Like what you read? Give Bruna Maia a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.