desabafo de uma pessoa fria

nunca consegui entender quem tanto fala, tanto me chama e tanto reclama da minha frieza, quando, na verdade, eu só achei melhor recolher as minhas emoções para mim mesma. e, o melhor, a capacidade de não procurar entender o motivo para eu ser assim. mas tudo bem, acho que não é por mal.

talvez, ao passo que acham que eu sou mesmo uma pessoa fria, devem achar também que não ligo ou que não tenho tantos sentimentos, por isso não procuram entender ou ter conhecimento da raiz da falta de emoção a ser mostrada.

para o choque de muitos, uma pessoa como eu, considerada fria, talvez é aquela que mais tem sentimentos enterrados dentro de si mesma. e, ainda nisso, talvez também exista uma vontade de externar tudo o que sente e todo o afeto a ser dado. é sério. vontade é o que não falta, mas se torna cada vez mais difícil, à medida que me sinto cada vez mais pressionada (por mim mesma ou pelas pessoas que me relaciono) a deixar tudo exposto.

uma vez que tentei mostrar e deixar claro o que eu sinto, no mesmo segundo que saiu as palavras da minha boca, entrou em mim um desespero que me fez ficar em dúvida sobre o que eu devia fazer em seguida, junto com um sentimento semelhante a um machucado sensível e vulnerável que a todo momento tem que ser cuidado e desinfeccionado, para que não aumente e cause, futuramente, um machucado muito maior e ainda mais sensível que já é.

pois isso, talvez tenha uma confusão entre a minha insegurança e a frieza que muita gente próxima vê, que eu penso ser inexistente. pra falar a verdade, penso que ninguém é frio. caso eu tenha chamado alguém disso, ou de seco, ou de coisa derivada, por favor, me desculpe. peço desculpas porque hoje eu tenho ideia do quanto é difícil evitar se fechar para qualquer um que tenta mostrar interesse, para qualquer um que mostra se importar e até para os bêbados que de repente ficam carentes e imploram por um carinho.

a minha frieza não é uma escolha que fiz, é só consequência de uma fraqueza que foi se desenvolvendo ao longo do tempo. e chega a ser engraçado como essas duas palavras conseguem rimar e parecer uma com a outra, com as letras iniciais e finais exatamente iguais. mas também pode ser papo bobo de quem quase nunca escreve textos como desabafos, e sim poesias.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.