Não sei se li isso em algum lugar, ou se essa história eu inventei. Mas há muito tempo penso nela:

Havia um índio que conheceu um Europeu. E viraram grandes amigos. O europeu se sentiu o ser mais honrado no mundo por ter conhecido esse índio e vice-versa.

Antes de partir o Europeu resolve presentear o índio com o bem mais significativo que possuía, deu ao Índio seu Relógio de Ouro. O Índio pra retribuir fez a mesma coisa, deu ao Europeu seu Arco-flecha mais precioso.

Anos depois o Europeu visitou o índio e encontrou seu relógio de ouro no topo de uma árvore e ficou muito aborrecido. Como eles iriam enxergar as horas no topo da árvore? Isso é um insulto!

E o índio foi visitar o Europeu e encontrou seu arco-e-flecha pregado na parede do escritório e ficou igualmente aborrecido. Como ele iria caçar se o arco-e-flecha estava pregado na parede? Que desperdício!

Mal sabia o Europeu, que o índio colocou o relógio no topo da árvore, por que ele refletia o Sol, deus “Tupã”. Não há honra maior à um índio do que relacionar um objeto ao seu Deus.

Mal sabia o Índio, que o arco-e-flecha dele estava na área mais nobre que o Europeu encontrou para pendurá-lo, atrás de sua mesa em seu escritório, onde o Europeu recebia os líderes do mundo inteiro e falava com orgulho nos olhos do presente mais perfeito que já havia recebido.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.