Protótipo é o novo ppt?

Aos poucos (bem aos poucos) a palavra “protótipo” vem ganhando espaço nos processos de criação, mas, sendo muito sincero, ainda não entendi o que essa palavra significa.

Parece que protótipo virou o novo ppt-keynote-monstro-layout-storyboard: uma ferramenta que ajuda a vender uma ideia para um cliente.

Acho que passei tanto tempo aprendendo como vender/defender ideias que nunca parei para aprender como testar no dia a dia de uma agência.

Preciso passar menos tempo criando apresentações fodas para clientes e mais tempo criando protótipos para pessoas, no fim do dia, são elas quem pagam a conta.

Protótipo pode ser algo simples como um video ou complexo como uma landing page, o importante é que o objetivo seja testar um conceito e não aprovar um job.

O teste deve vir antes da apresentação, algo que fazemos para entender, aprender e coletar insights. É sobre gastar um pouco de energia e dinheiro antes para não gastar o dobro depois.

Não tenho uma receita ou fórmula, mas aqui vão algumas coisas simples que estou me forçando a fazer antes de uma apresentação com protótipo no cliente:

1. Levantar bunda da cadeira e levar o protótipo comigo

Um teste pode ser algo tão simples quanto levantar e ir trocar ideia com pessoas de outra área, que não conhecem o cliente ou job que você está fazendo;

Sair na rua e puxar conversa com um estranho; ou mesmo aproveitar uma reunião em um cliente para testar um protótipo que você está desenvolvendo para outro cliente. No fundo todos são pessoas, e é para elas que estamos criando.

— 
 
2. Comprar um pouco de mídia e colocar para rodar.

 
Sejam 10, 50 ou 150 reais, não precisa mais do que isso, a ideia é colocar o protótipo para rodar rápido e ver como as pessoas de fora do nosso mundinho reagem.

Pode ser algo simples como um post no Facebook/Instagram, direcionado para pessoas canhotas que moram em Curitiba e gostam de viajar, usando a própria página da sua agência.

Se alguém interagir com o post, mande uma DM, pergunte porque curtiu, o que achou interessante, se faria algo diferente; e se ninguém interagir, isso também deve ser levado em consideração.

— 
 
3. Fazer a mesma coisa sem gastar com mídia

Se não quiser gastar grana, tem uma forma muito mais simples: grupos no Facebook, WhatsApp, funcionam bem para testes específicos e pontuais.

Mande o seu protótipo no grupo da familia e veja como as pessoas reagem. Tire um tempinho e procure por um grupo no Facebook que tenha a ver com o tema do projeto que você está trabalhando.

Até um simples direct no instagram pode funcionar. Quer fazer uma ação para quem frequenta restaurantes veganos em Porto Alegre mas está em São Paulo? Abra o Instagram e veja quem acabou de postar uma foto lá e mande uma DM.

As possibilidades para testar o seu protótipo são infinitas, só depende de você se mexer.

Não precisa ser o maior teste do mundo, mas garanto que mesmo o seu menor teste vai atingir mais pessoas do que uma sala de reunião lotada.