Embora eu tenha conseguido entrar no mercado justamente por ter participado de fansub, também não…
Aline Araújo
22

Comentário MARAVILHOSO, Aline, você precisa publicar em mais lugares. Debate, mais pontos de vista, adoro! :D

A gente (e por a gente, falo de mim mesmo) precisa ampliar nossos horizontes e ressaltar que existe mais de um mercado de fansub e que existe também uma dedicação por parte dos fãs que traduzem/legendam, porque é praticamente tudo voluntário, feito pelo amor à “causa” mesmo. E não só em anime, tem jogos que nunca foram publicados oficialmente do Japão, mas saíram de lá pelas mãos de fãs.

Esse exemplo da Netflix que você deu é uma das saídas para o mercado ultrapassado de séries/animes que são distribuídos pela televisão, “mas não no seu país, que pena, ficou sem”. E a legenda profissional é paga pela Netflix (800 e poucos reais por minuto hahahaha né?), então é um modelo de distribuição não apenas atualizado como justo para todo mundo, porque o preço é acessível, a distribuidora recebe, o tradutor recebe.

Os consumidores de conteúdo aceitam pagar um valor justo, e a Netflix sabe disso. A pirataria que é decorrente do fansub de RuPaul’s Drag Race (vou usar esse exemplo porque é o que mais conheço) só existe porque não existe opção de consumo sob demanda no Brasil. Eu pago com gosto minha assinatura da Netflix para assistir o que existe de RuPaul lá, mas e o que não chegou lá ainda?

No mercado de localização ainda é complicado, porque o modelo de distribuição já se modernizou (Steam, por exemplo) e com isso as publishers encontraram um jeito de lucrar mais ainda em cima dos fãs. Minha maior crítica é a essas publishers (e alguns desenvolvedores também) que realmente exploram o trabalho alheio.

Enfim, amei seu comentário, um ótimo ponto de vista que eu não conhecia mas que é muito importante levar em consideração. :)

Obrigado!

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Thiago Hilger’s story.