O aumento da poluição do ar é uma ameaça nas grandes cidades

O crescimento desordenado dos centros urbanos gera uma série de problemas ambientais que interfere em nossa qualidade de vida e saúde. O aumento da população e da renda criaram a necessidade de medidas sustentáveis que proteja o meio ambiente sem interferir no crescimento econômico.

Um desses problemas é a poluição do ar, vinda principalmente de veículos e fábricas, que lançam na atmosfera quantidades nocivas de substâncias prejudiciais à saúde humana e ao meio ambiente. O problema é tão grave que já causou a morte de mais de 7 milhões de pessoas do mundo só em 2012, número de mortes superior ao da AIDS e malária juntos.

A poluição do ar é a contaminação do ar por gases, líquidos e partículas sólidas, material biológico e até mesmo energia que podem vir de fontes naturais como neblina e vulcões ou de fontes artificiais, resultado da ação humana.

Entre os poluentes está o monóxido de carbono, gerado na queima de combustível, podendo causar asfixia; dióxido de carbono, causador do efeito estufa; cloflurocarbonetos, que em contato com outros gases, é responsável pelo buraco da camada de ozônio; óxidos de enxofre, altamente nocivo e produzido pelas indústrias e vulcões, causando a chuva ácida; entre outros.

E quais impactos sofremos com a poluição do ar? Podemos apresentar irritação na garganta, nariz e olhos; problemas respiratórios, agravamento de problemas cardíacos; tosse; diversos tipos de câncer; danos no sistema imunológico e no sistema reprodutor.

E não só nossa saúde que sofre, mas também o meio ambiente. A chuva ácida é uma das consequências da poluição e causa acidificação da água, causando a morte de peixes e modificando as propriedades físico-químicas do solo. Ela também danifica as árvores, prédios e corroem estruturas da cidade.

O buraco na camada de ozônio impede a filtração dos raios ultravioletas, deixando os humanos sob risco de desenvolver câncer de pele. A poluição também contribui para o efeito estufa, contribuindo assim para o aquecimento global.

Em Belo Horizonte o nível de poluição está dentro do previsto pelo padrão internacional. Mas pesquisas alertam que nos últimos 14 anos a emissão de Gases do Efeito Estufa quase dobrou na capital mineira. Há possibilidade o índice pode aumentar mais 35% até 20130 se nenhuma medida for tomada.

Segundo o Jornal O Tempo, a Prefeitura de Belo Horizonte está agindo nesse sentido, criando o Plano de Redução de Gases do Efeito Estufa, que conta com propostas para ajudar a reduzir a poluição, principalmente os poluentes gerados pelos veículos.

Além de medidas da Prefeitura existem outras atitudes que devem ser tomadas e mais uma vez chamo atenção para a participação de todos, já que eu, Hiram Sartori, acredito que todos os atores da sociedade devem estar envolvidos nas soluções ambientais para que elas surtam efeito. Afinal, toda população contribui para os problemas ambientais, e no final, é o maior prejudicado com os danos causados.

Uma das medidas que nós podemos tomar é tentar evitar o uso de automóveis ao máximo possível, usando o transporte público sempre que puder. Podemos usar bicicletas, ou até mesmo combinar caronas com os colegas de trabalho. Podemos também economizar energia apagando as luzes, TV e o computador ao sair de casa.

Para tentar reduzir os poluentes de transportes de produtos, dê preferência para produtos locais. Mais uma vez a reciclagem é bastante necessária, nesse caso porque diminui o consumo de energia e de matéria-prima necessárias para fabricação de novos produtos. E, por fim, escolha sempre empresas que tenha e promovam a cultura ambiental em primeiro lugar.