Refiz meu poema

Peguei sutilmente uma foto dela, olhei uma, duas vezes, deixei a inspiração entrar. Esse momento quase “metafísico” transformou-se em versos e estrofes. Em um primeiro momento, não eram lá grande coisa. Com um pouco de organização e aprimoramentos de sentido, escrevi poesia. O porém é que, o poema só se tornou poesia em um último momento, é claro, após saber a opinião dela sobre o que fiz.

Confesso, fazia tempo em que não me sentia dessa forma, feliz de fato. Mesmo que tenha durado poucos instantes, ainda me abre um sorriso quando lembro. Creio que, isto está ligado muito a forma com que ela descreveu o que leu, doce e amável como ela própria.

Mas nem tudo são flores, encontro-me num dilema ainda mais pertinente.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.