Literatura-ostentação

Quando um texto demonstra que o escritor faz parte da tribo dos muito cultos e muito sofisticados. E os efeitos disso na narrativa

Giorgio Armani x Jacques Derrida: duelo de grifes

Entraram no apartamento. Ele dirigiu-se ao bar, enquanto ela passava em revista a sala, detendo-se atenta num quadro de John Jaspers. Ele põe no som uma ópera de Gluck, abre uma garrafa de Châteux Pétrus 2004 e…

Inventei esse trechinho de um conto ou romance aí de cima para exemplificar o que chamo de literatura-ostentação. A toda hora me deparo com coisas assim na ficção. E me pergunto:

– O que estão fazendo aí o quadro do pintor pouco conhecido, a ópera do compositor idem e a marca e o ano do vinho caro?

– São informações essenciais ao leitor?

– Podem ser suprimidos sem nenhum prejuízo à narrativa?

Se a resposta às perguntas for: não estão fazendo nada, não são essenciais e podem ser suprimidas, devemos acrescentar mais uma pergunta:

– O que querem aquelas informações transmitir ao leitor?

Possivelmente pretendem dizer de uma forma bem clara o nível de sofisticação do personagem. Resta então uma última pergunta:

– O fato de se tratar de um personagem sofisticado é relevante para a história? (Isto é, obriga-o a agir de uma forma e não de outra, a pensar de um modo e não de outro, de maneira a determinar os fatos narrados?)

Aí, nós, leitores, temos de concluir a leitura da peça (conto ou romance) para avaliar isso. Se novamente a conclusão clara for de que podemos riscar o trecho sem qualquer consequência para o texto, então estamos diante de um caso de literatura-ostentação. É quando o escritor envia sinais de fumaça para os muito cultos e sofisticados. Uma senha para dizer que ele, o autor, pertence — e tem orgulho de pertencer — àquela tribo. E quando o camarada desanda a citar escritores consagrados, dana-se tudo.

Ora, poupem-nos, a nós leitores, dessas demonstrações tão pouco sutis. Escritor vezeiro em exibir seu capital cultural parece novo rico arrotando suas grifes. A diferença é de nomenclatura. Em lugar de Armani, Ferrari e Mont Blanc: Barthes, Chklovsky, Derrida.

Tal como existe o funk-ostentação, há quem cultive a literatura-ostentação.

Like what you read? Give Homero Fonseca a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.