Seu emprego está ameaçado — e o que fazer a respeito

How Education
Aug 12, 2019 · 5 min read

O mundo passa pela sua 4ª revolução industrial. Para muitos estudiosos, o fenômeno desencadeia uma série de transformações, ancoradas pelas novas tecnologias exponenciais. É nesse cenário que surgem as previsões para um futuro não tão distante, dividindo opiniões: enquanto alguns estudos apontam que o futuro será repleto de oportunidades, proporcionadas por essas tecnologias e novos modelos de negócios; outros apontam, que, para tentar reestabelecer o equilíbrio entre tecnologia e seres humanos, será necessário a intervenção das instituições públicas e privadas. Esse admirável novo mundo terá um impacto profundo na forma de aprendizado das pessoas.

Empregos de menos versus novas oportunidades
Michael Osborne, especialista em inteligência artificial prevê que 47% dos empregos existentes hoje nos EUA estarão ameaçados pelos robôs até 2030. Já no Brasil, estudo realizado pela UnB revela um número um pouco mais preocupante: 54% dos empregos no país enfrentarão esse mesmo risco.

Enquanto uma onda de pessimismo toma conta de parte das instituições e estudiosos que discutem o futuro, outros números dão conta de uma nova e ampla gama de oportunidades. O Fórum Econômico Mundial, no seu relatório de 2018, estima que, para cada 1 milhão de empregos eliminados, 1,75 milhão de novos empregos poderão ser criados. A McKinsey também segue nessa linha otimista: para o instituto, mesmo com a inteligência artificial e a automação e com uma previsão de que entre 400 e 800 milhões de empregos desapareçam, haverá uma demanda para algo entre 750 milhões e 1,09 bilhão de vagas.

Estamos preparados para as mudanças?
Para isso acontecer, porém, todas previsões otimistas concordam que, haverá a necessidade de cooperação em três esferas: a social, os governos e as instituições privadas. E é nesse ponto que estão os gargalos: o equilíbrio entre essas forças. Pesquisa realizada pela Accenture informa que 67% dos entrevistados querem se educar e serem alfabetizados em tecnologia, mas, que, por outro lado, apenas 3% dos líderes das empresas entrevistadas querem investir em treinamento.

Já a Deloitte é mais enfática: segundo dados coletados pela empresa, nenhuma das três esferas — empresas, pessoas e instituições públicas — está se preparando devidamente para a ruptura social e econômica que está chegando.

Reinvenção como habilidade para o futuro
Em seu mais recente livro, 21 lições para o século XXI, Yuval Noah Harari, historiador israelense, cita a educação tradicional dividida em duas partes complementares: um primeiro período, que era o do aprendizado, quando as pessoas acumulavam informação e conhecimento, desenvolviam suas aptidões e habilidades, formavam sua visão de mundo e construíam suas identidades estáveis. O segundo período era o de aplicação dessas aptidões, conhecimentos e habilidades para seu sustento e construção social. Para Yuval, esse modelo tradicional não se encaixa mais nesse novo mundo de mudanças aceleradas: o mais importante agora será a habilidade para lidar com essas mudanças, aprender coisas novas e preservar seu equilíbrio mental em situações que não são familiares. Para acompanhar essas mudanças, teremos que nos reinventar várias e várias vezes.

Reskilling e o aprendizado contínuo
Yuval acredita que seria uma irresponsabilidade tentar deter os avanços tecnológicos para preservar os empregos das pessoas. Para o autor, o que deve estar no cerne da discussão são as pessoas, e não os empregos. Para Yuval, as pessoas que não tiverem muito claro o pensamento de aprendizado contínuo estarão fadadas ao ostracismo. O termo que melhor define essa necessidade permanente de desenvolvimento, aperfeiçoamento de habilidades e trabalho colaborativo é conhecido como Reskilling e pode ser aplicado não só às pessoas, mas também para empresas, governos e segmentos de negócios.

Novo mundo, novos papéis
Nesse novo mundo, todos — pessoas, empresas e governos — terão novos papéis para desempenhar:

Pessoas:
Nosso papel será desenvolver habilidades múltiplas para lidar com mudanças, aprender coisas novas e preservar equilíbrio mental em situações que não são familiares. Teremos que nos reinventar várias e várias vezes e as experiências passadas passarão a ser cada vez menos relevantes. Teremos que abrir mão daquilo que sabemos melhor e aprender a conviver e assimilar aquilo que não sabemos. Entre as habilidades, teremos que desenvolver e aperfeiçoar as habilidades de negócios, aquelas que compreendem áreas de conhecimento especificas, tais como design, marketing etc — as habilidades humanas, compreendendo comunicação, pensamento crítico, capacidade de adaptação, de liderança e de resolução de problemas e as habilidades digitais, que são as habilidades para lidar com tecnologias como inteligência artificial e big data, por exemplo, mas, que também envolvem um novo mindset, preparado para os desafios recorrentes dessas novas tecnologias exponenciais.

Empresas:
As empresas terão que adotar o mantra criado por Matthew Sigelman, CEO da Burning Glass Technologies: “Sua organização é movida pelas habilidades que você tem. A evolução dos indivíduos em uma empresa, em última análise, se traduz na evolução de uma empresa”. Será imprescindível que as empresas invistam cada vez mais na formação e no treinamento de seus colaboradores. Uma das soluções possíveis é que as empresas — concorrentes ou não — se unam para criar condições para a formação de profissionais. Iniciativas desse tipo terão impacto na retenção de talentos. As empresas que se destacarão serão aquelas que investem em tecnologia, mas que mantém o foco na experiência humana, criando equipes multidisciplinares e experimentando programas de incubadoras ou aceleradoras para romper com o pensamento linear. Além disso, elas terão que desenvolver a capacidade de identificar e realocar profissionais de áreas que serão extintas para novos cargos que fazem uso de habilidades similares.

Instituições e entidades públicas:
Compreendem os governos, ONG’s, instituições de ensino, sindicatos etc. Para os atores que “têm a caneta”, o envolvimento e os esforços não serão diferentes e suas decisões afetarão diretamente as demais esferas (indivíduos e empresas), isso porque a requalificação e reciclagem das forças de trabalho são a sustentação para o crescimento econômico e para evitar um colapso global no mercado de trabalho. Compartilhar aprendizados será essencial para a descoberta de abordagens eficazes. Outro ponto que chama atenção é que a requalificação da força de trabalho poderá exigir aportes financeiros dos setores público e privado, criando mecanismos ágeis de proteção social e propostas que evitem a desestabilização da renda dessas pessoas.

Reskilling: convite ao debate
Para debater o futuro dos empregos criamos a web série Reskilling, um programa que apresenta o olhar de seis convidados — Arthur Igreja (AAA), Leandro Henrique de Souza (How Bootcamps), Victoria Figueria (Glovo), Adeildo Nascimento (ABRH/MadeiraMadeira), Barbara Ritzmann (CINQ Technologies) e Tiago Moreira (Mirum) — tratando de temas como as novas configurações do trabalho, novos modelos de ensino e nova economia, habilidades que farão a diferença na educação. Você pode conferir os 6 episódios da web série no canal do YouTube da escola:

How Education

Somos uma escola focada na construção de digital, hard e soft skills, em programas práticos e rápidos com facilitadores das principais startups.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade