Clarissa Muller, da bancada ao audiovisual

11ª Noite de Prêmios ESPM-Sul — Troféu de Prata em Produção Audiovisual com o projeto “Tatuar-te”

Clarissa Muller está na reta final de sua graduação em Jornalismo na ESPM-Sul. Em 2014, a jornada se iniciou e, segundo ela, escolheu o curso duas vezes: “Quando saí do colégio, quis jornalismo pensando em ser apresentadora do Jornal Nacional. Depois de entrar na faculdade e ver a realidade e a rotina desses jornalistas, percebi que não era isso que eu queria e pensei em desistir. Mas, depois, fazendo outras cadeiras e conhecendo mais opções, vi que com o curso eu posso seguir muitos caminhos. Sabia do meu gosto por audiovisual, mas descobri que meu lugar era atrás das câmeras”.

A carreira começou com a HUB ESPM, agência experimental de jornalismo da faculdade, onde trabalhou durante um ano e meio. Atuou na categoria News, fazendo coberturas e reportagens, e na categoria Conteúdo. Depois, a profissão seguiu na Fundacred, uma empresa de crédito educativo onde a formanda foi redatora. Hoje, completa um ano na empresa Believe It!, especializada em narrativas para marcas, unindo planejamento estratégico e jornalismo.

Ela conta que o mais marcante na faculdade foi encontrar pessoas com os mesmos gostos. Além disso, os trabalhos que fez em conjunto aos colegas também foram importantes para sua formação: “São meus maiores orgulhos: os amigos e os trabalhos”.

Aos 20 anos e com a formatura chegando, Clarissa não sabe quais são os próximos objetivos. Mas pretende fazer uma pós-graduação que envolva a área audiovisual e morar fora do país.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.