O que espero…

Dizem-nos que o tempo é um recurso finito 
 e que valoriza-lo torna ele ainda mais bonito
 mesmo que tivesse todo tempo do mundo
 só seria feliz se pudesse gasta-lo contigo.

A felicidade é relativa a expectativa aplicada
 muitas vezes se dá muito e não recebe quase nada
 maldito coração que tudo quer e quer agora
 se não vem ou se demora, não tarda e chora.

Mania essa que entristece, sem cuidado até 
o coração endurece, por não saber o que fazer
recorre a certas preces, desejando poder ver, 
mas não apenas do jeito que lhes parece

E a alma resplandece com o que é verdadeiro, 
referindo-se a ela reconheço pelo cheiro, este que
me arrepia desde os pés aos fios do cabelo
e já muito não espero, pois sei bem o que quero

Já não busco nada mais do que aquilo que é sincero.

Like what you read? Give Hudson Bruno a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.