O que você quer ser?

Desde crianças somos levados a pensar no que queremos ser. Perguntas como, o que você quer ser são constantemente realizadas dentro das escolas, e os rótulos são quase sempre os mesmos, advogado, economista, médico ou qualquer outra profissão que um curso universitário é capaz de proporcionar.

Mas qual o problema?

Simples, esses rótulos nos prendem a pensar em ser algo, como se nossas histórias necessariamente precisassem ter início, meio e fim bem definidos. Não é incomum quando se pergunta a um adolescente em fase de vestibular e ele ter uma resposta que demonstre de certa maneira um futuro planejado como por exemplo: “Quero fazer direito, por que quero ser um grande advogado”. Mas quando perguntadas o porque , poucos sabem o que responder, respostas como: “Isso dá dinheiro”, “acho legal”, “meu pai sempre quis que eu fizesse” são constantes nos preparatórios de hoje em dia.

Ou também tem aquelas pessoas que se sentem imobilizadas por não saberem o que farão da sua vida no futuro por que não se veem executando um mesmo trabalho por toda a sua vida nos campos os quais as universidades proporcionam. Os cursinhos de vestibular e até mesmo as faculdades estão cheias de pessoas que não sabem o que querem ser, porque querem ser muito mais que um rótulo.

Quem eu quero ser?

Quando mudamos um pouco a tradicional pergunta de o que para quem, transformamos a maneira como reagimos a ela, diferenciando nossa maneira de pensar, começamos a entender como será o nosso futuro e quem seremos nele, entendemos que a vida muito além de um título como por exemplo o de Engenheiro e começamos a pensar no que poderemos fazer. Esse tipo de reflexão, leva um pensamento muito mais profundo sobre o futuro, e ajuda nas escolha do curso a se fazer na faculdade, ou até se é uma graduação o que você quer mesmo fazer.

Quando eu entrei na faculdade, aconteceu uma parada comigo que eu imagino já ter acontecido com muita gente, eu percebi que o mundo ia muito além de qualquer curso que eu poderia fazer, que o acesso a informação era gigantesco e que eu poderia alcançar o que eu almejava estando em qualquer lugar. No ensino médio, muitas vezes temos uma visão limitada de achar que precisamos fazer o curso X ou Y para alcançar o objetivo A ou B, mas quando efetivamente entramos na faculdade, ou mercado de trabalho percebemos que não é bem assim.

Não to dizendo que faculdade não é importante, e nem que você pode ser o que quiser seguindo qualquer curso, seria muito louco o cara se formar em engenharia e se tornar um médico. O que eu quero com esse artigo é te convida a pensar muito além de um curso de faculdade, quero te fazer refletir sobre pelo que você quer ser lembrado, qual o legado que você quer deixar.

E ai, Quem você quer ser?

Like what you read? Give Hugo Foly a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.