Qual o primeiro passo para criar uma marca forte?

Uma conversa rápida e descontraída sobre marcas e negócios.

Quando vamos criar uma marca, negócio, empresa ou qualquer outro nome que quisermos dar, pensamos em quase tudo: quem é nosso cliente, onde vai funcionar, se temos dinheiro para o investimento, qual é o investimento, qual será o preço cobrado e por aí vai…

Mas tem uma pergunta que passa batida na maioria das vezes: quem nossa empresa é?

Mas aí você se pergunta: isso é importante para o meu negócio?

Vamos explicar por que conhecer o DNA da marca pode mudar tudo.

Num projeto de Branding, nossa primeira preocupação é entender de onde vem a energia pura, ou seja, seu DNA, a essência da empresa, por que ela existe, como ela enxerga o mundo.

As empresas são como pessoas, têm características, jeito, personalidade. Já percebeu como é estranho conversar com pessoas que não parecem ser o que dizem? Pois isso também acontece com empresas.

Existe uma diferença de imagem e identidade. A identidade é quem a empresa realmente é, já a imagem é o que ela mostra ser. Não é difícil encontrar incoerências nisso, e acredite, não tem nada pior do que uma empresa dizer ser uma coisa e quando o cliente vai se relacionar com a marca percebe ser outra totalmente diferente.

Não adianta falar que é descolado se no fundo a empresa é séria. E é preciso deixar muito claro que não tem problema nenhum em ser sério, muita gente quer uma empresa séria, ou qualquer outra característica que seja. O problema é não saber quem somos e cada hora agir de um jeito, isso no mínimo causa desconfiança.

Marcas fortes têm plena consciência sobre quem são e principalmente quem não são, isso facilita a compreensão por parte dos clientes, já que a mensagem é sempre coerente.

Se a mensagem não for coerente a imagem fica confusa, pois a marca fala cada hora de um jeito. Outro motivo igualmente importante é o desperdício de tempo e dinheiro. Quando a empresa tem clareza sobre quem é, a energia é canalizada num ponto só, evitando refações ou projetos que definitivamente não combinam com quem são.

Conhecer o DNA é o primeiro passo.

Orienta todas as ações, desde comunicação até contratação de pessoas. Evita desperdício de tempo e verba, e principalmente torna a imagem alinhada com a identidade, ajudando a posicionar bem a marca.