8.7.15 — Breves impressões sobre o Flamengo

12ª rodada do Campeonato Brasileiro. Este foi o primeiro jogo do Flamengo que vejo desde a derrota por 1x0 contra o Botafogo no campeonato carioca, portanto apenas o segundo ou terceiro jogo que vejo no ano do meu time.

Algumas são as causas disso, o reinício de um curso universitário, a saída do RJ, o extremo desânimo com os Campeonatos Estaduais, a falta de uma TV, entre tantos outros. Mas a transmissão nos canais abertos, meu celular com acesso à TV digital e um período mais tranquilo foram a receita para que eu conseguisse ver um dos poucos jogos rubro-negros do ano.

O que coincide com a entrada de Guerrero no time, que respondeu ao badalo de sua grande contratação, a primeira pós-austeridade econômica, e à grande Copa América feita, onde terminou em lugar e artilheiro na péssima seleção peruana.

Há uns poucos dias resolvi olhar os Melhores Momentos do jogo entre Flamengo e Figueirense, motivado pelas críticas feitas ao jovem goleiro César, um xodó, em seu posicionamento na cobrança de falta que resultou no primeiro gol da reação do time catarinense. Com a superficial análise que apenas 10 min de highlights poderiam dar, tive a impressão de que o time estava criando bastantes e boas oportunidades, com uma defesa razoável/boa, um goleiro seguro e totalmente desconcentrado no final, o que, na ocasião, selou o resultado.

Hoje a impressão que tive ao ver aqueles melhores momentos se repetiu, foi clara a contribuição técnica que o estelar centroavante peruano trouxe. O time criou boas oportunidades e construiu um placar sólido graças ao gol e à bela assistência do novo centroavante, a sorte é que o vacilo dos instantes finais veio com um resultado já um pouco maior e não mudou o resultado.

A vitória no Beira Rio, estádio onde o Flamengo tem um retrospecto ruim, contra um rival grande da segunda metade da tabela é um bom augúrio, principalmente por dar a possibilidade do bom Cristóvão Borges prosseguir seu trabalho e ter chances de criar um padrão de jogo e a evolução técnica necessária.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.