Alimentação (saudável)

Alimentação saudável é variedade, ela não tem uma estrutura fixa ou um padrão.

É preocupante a forma com que as pessoas estão lidando com a alimentação e com a visão expressa acerca da Nutrição. O discurso terrorista, ancorado em modismos, dietas, rituais alimentares extremistas, pensamentos disfuncionais e dicotômicos, permeia o ato de comer, além da culpabilização do indivíduo por suas escolhas alimentares. A Nutrição, no seu status de ciência de saúde, perde espaço para o Nutricionismo, ideologia que supervaloriza os nutrientes e desconsidera toda a constelação de fatores que compõem a nossa alimentação. Diante disso, o conceito de uma alimentação adequada e saudável acabou se perdendo e até mesmo distorcido, se confundindo ainda com inúmeras restrições e ser “fitness”…

Precisamos entender que a alimentação saudável não é passar a comer determinados alimentos e, ou cortar preparações e nutrientes da nossa alimentação. Não é fazer uma dieta ou seguir à risca um plano alimentar perfeitamente calculado. É muito mais do que isso! É rever os seus conceitos e os seus hábitos alimentares; a sua relação com a comida: o que você pensa, sente e como reage perante ela (atitudes alimentares). É observar todo o seu comportamento alimentar, não só o que você come, mas também: quando, quanto, onde, com quem, como e por que você come.

Além disso, consiste em considerar a sua alimentação como um todo, de forma holística, e não um ou outro alimento consumido. É também lembrar que a nossa alimentação é um ato biológico, hedônico e simbólico ao mesmo tempo, sendo que esses três âmbitos precisam ser respeitados e estar em harmonia. Alimentação saudável é variedade, ela não tem uma estrutura fixa ou um padrão. Ela pode (e deve) ter inúmeras apresentações de acordo com as características biopsicossociais das pessoas. E, acima de tudo, ela tem espaço para todos os alimentos.

Referências:

ALVARENGA, M.; KORITAR, P. Atitude e comportamento alimentar — determinantes de escolhas e consumo. In: _______ ALVARENGA, M. et al. Nutrição Comportamental. Barueri: Manole, 2015. p. 23–50.

LIMA, R. de S.; FERREIRA NETO, J. A.; FARIAS, R. de C. P. Alimentação, comida e cultura: exercício da comensalidade. Demetra, v. 10, n. 3, p. 507–522, 2015.

MOREIRA, R. de C. M.; COSTA, T. M. B. A complexidade e nuanças do comportamento alimentar. In: _______ ALMEIDA, S. de S.; COSTA, T. M. B. LAUS, M. F.; STRAATMANN, G. Psicobiologia do comportamento alimentar. Rio de Janeiro: Rubio, 2013. p. 33–44.

SCAGLIUSI, F. B.; ALVARENGA, M.; PHILIPPI, S. T. Conceituação de alimentação saudável sob a perspectiva biopsicossocial. In: _______ ALVARENGA, M.; SCAGLIUSI, F.; PHILIPPI, S. T. Nutrição e transtornos alimentares. Baueri: Manole, 2011. p. 37–58.

Like what you read? Give Hugo Vilhena a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.