Humberto Siqueira Nogueira é destaque no Terra

Nesta semana foi publicada uma matéria no site Terra falando sobre a tentativa do paraquedista Humberto Siqueira Nogueira de quebrar o Recorde Mundial de Paraquedismo Head Up, que vai acontecer em março deste ano na cidade de Sebastian, na Flórida (EUA). A matéria ressalta a participação do goiano, único brasileiro até o momento a participar da seleção, que reúne cerca de 100 atletas do mundo todo.

Trajetória do paraquedista

Quem acompanha a rotina de saltos do Humberto Nogueira sabe que há tempos ele vem se preparando para um título como esse. Com mais de 1600 saltos em sua carreira, principalmente na modalidade Free Fly (voo livre, em português), o paraquedista já trouxe alguns troféus para o país, em especial o Campeonato Brasileiro de Free Fly, em 2015, e o recorde sul-americano na modalidade head down, que conquistou em duas oportunidades: em 2016 e 2018.

Veterano no salto head down (de cabeça para baixo), onde os atletas podem atingir velocidades de mais de 300 km/h, o brasileiro agora tentará quebrar o recorde na modalidade head up (que pode ser traduzido como “em pé”). O diferencial desse salto é a extrema dificuldade, já que os atletas precisam desafiar as leis da aerodinâmica para manterem o equilíbrio nesta postura em uma queda livre a centenas de quilômetros por hora. É uma manobra extremamente complexa e desafiadora, que exige muito treino e experiência!

Citado na matéria do Terra, Humberto Siqueira Nogueira contou que considera muito gratificante participar de torneios desse tipo, onde os paraquedistas se reúnem por um objetivo em comum: desafiar-se cada vez mais. Ele afirmou que, mais do que quebrar um recorde, essa participação é importante como uma forma de conquista pessoal, além de ser uma ótima oportunidade de acompanhar a evolução de outros atletas e trocar experiências.

Sobre o recorde mundial

Para o recorde mundial na Flórida, Humberto já realizou cerca de 50 treinos e deve passar por um treinamento mais rigoroso entre os dias 5 e 15 de janeiro, quando realizará saltos em um túnel artificial de vento na Polônia. Esse é um procedimento que ajuda a simular as condições extremas que podem ser encontradas durante o salto real na seletiva, realizada em março.

Se estiver entre os 15 classificados no tryout da Flórida, o paraquedista participará da etapa final do recorde, a ser realizada em julho, na cidade de Chicago, em Illinóis, também nos Estados Unidos.

Confira mais informações na íntegra da matéria publicada no Terra e entenda melhor a preparação e a trajetória do atleta.