Intolerância

Há tempos estou querendo escrever um pouco sobre isso. Talvez esse clima de inimizade pública tão propagado em nossas redes sociais, principalmente olhando o cenário político atual, seja uma espécie de pulga atrás da minha orelha que tem me deixado inquieto.

Toda hora você consegue identificar alguns desses exemplos:

um fora Dilma, fora Temer, se você for de esquerda me exclua, se for de direita me exclua, se apoia a causa gay me exclua, se é de determinada religião por favor não fale comigo, etc…

Eu fico pensando no que leva uma pessoa a esse tipo de extremo: será uma grande convicção de que a verdade dela é a única existente? Será a incerteza do que acredita levando ela a tentar convencer outros do seu ponto de vista? Ou os tipos de relacionamentos que ela constrói são tão superficiais que as pessoas que ela chama de amigos são meros conhecidos? O que há de errado em conversar, ter opiniões diferentes e, mesmo assim, continuar amigo?

Acho válido conversar sobre qualquer assunto, acho válido que as pessoas tenham pontos de vistas diferentes, todos têm o direito de mudar suas opiniões ou não terem suas opiniões formadas (falarei sobre isso em outro texto). Se tudo for conversado com respeito todos podem crescer com isso.

Vale sempre uma reflexão quando formos intransigentes e absolutos e nossas ideias, lembrar que o outro pode ser diferente e colocar na balança o valor da relação que estamos prestes a colocar em jogo.

Like what you read? Give Humberto Siciliano a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.