Vi-me

De repente, vi-me vazio

Vi-me morto

Vi-me torto

Vi-me corpo num corpo que não pertenço.

Deixei-me aberto todo o mundo

Na minha vida enxuta e pequena

Que vida?

Onde tudo o que é, não É

Onde tudo o que Sou, não sou.

De repente, vi-me farto

Vi-me falso

Vi-me só

E por fim, vi-me poeta.