Impulsionando a maré, a necessidade de liderança ética

por Kelly Alexander*

Em uma recente conversa com o presidente do Instituto Brasil África, João Bosco Monte, destacamos a importância de um retorno à ética e aos valores. Brasileiros e africanos precisam mudar para uma sociedade baseada em valores. Isso tem grandes implicações no enfrentamento de alguns dos desafios recorrentes — como a corrupção — que ferem o país e o continente.

Recentemente, na África do Sul, Ahmed Kathrada faleceu. Como um veterano da luta anti-apartheid, ele personificou a importância de viver pelos valores em que acreditava, e lutando por uma sociedade melhor. Este tipo de sociedade só pode ser alcançada através da consideração racional das alternativas e opções disponíveis em termos de desenvolvimento. O debate e o discurso são fundamentais em sociedades diversas, caracterizadas pelo multiculturalismo e por histórias complexas — vistas em toda a África e no Brasil.

Uma série de acontecimentos recentes na África do Sul trouxe à tona que este debate já não é bem-vindo na sociedade. Da mesma forma, em todo o mundo a mudança no clima político global e na ascensão da direita é sentida no espaço limitado disponível para o debate inteligente e crítico sobre uma variedade de questões. O próprio Kathrada não tinha medo de falar abertamente aos que estavam no poder. Cegueira lealdade à liderança não tem lugar em um mundo com uma abundância de ferramentas, recursos e informações. Estes elementos podem ser utilizados para melhorar a qualidade de vida dos cidadãos e avançar na agenda de desenvolvimento.

Sem debate, as nações em desenvolvimento são ameaçadas de serem forçadas a assumir e adotar visões não históricas que limitam nossa compreensão do passado. Isso tempera a capacidade de avançar, de evitar as armadilhas do passado e capitalizar os aprendizados que estão disponíveis para nós.

A liderança não se limita a alguns poucos. É algo que todos nós podemos exibir em nossas comunidades, negócios e círculos de amizade. O medo da crítica não deve impedir que o debate sensato recupere terreno da polêmica presente no Twitter e em outras plataformas de mídia social. As nações em desenvolvimento devem forjar um novo modelo de desenvolvimento, divorciado do populismo evidente no Ocidente. A Cooperação Sul-Sul deve estender-se à criação de liderança baseada em valores em todos os níveis da sociedade.

O lugar para o debate crítico está sendo diminuído, pois encontramos indivíduos cada vez mais alinhados com dois pontos de vista divergentes. Precisamos de “um triunfo da sabedoria e da grandeza do espírito contra as pequenas mentes e mesquinhez; um triunfo de coragem e determinação sobre a fragilidade e fraqueza humanas”.

*Kelly Alexander é socióloga e pesquisadora independente