Mark Zuckerberg caminha entre uma audiência utilizando os óculos de Realidade Virtual no evento Oculus Connect

Sobre o que você deveria pensar enquanto usa o Facebook?

Esta é uma tradução para o português brasileiro de What should you think about when using Facebook? de Vicki Boykis, autorizado pela autora. Optei por usar "a Facebook" quando me refiro à empresa Facebook e "o Facebook" quando me refiro ao site e aplicativo ou uma "personificação" do sistema, operados pela empresa Facebook com este nome.

TL;DR: A Facebook coleta dados sobre você em centenas de formas, através de numerosos canais. É muito difícil fazer o opt-out, mas ao ler sobre o que é coletado, você pode entender os riscos da plataforma e escolher ser mais restritivo com seu uso do Facebook.


O Facebook, para o bem ou para o mal, se tornou nossa sala de estar, nosso “terceiro local” online. É o lugar onde conversamos com nosso amigos, organizamos eventos, nos aflingimos por aqueles que perdemos, celebramos bebês, noivados, novos trabalhos, cortes de cabelo e férias.

Facebook, a plataforma, tomou um espaço tão grande de nosso mindshare e começou a servir como uma pensadeira. Por causa disso, é importante entender o que a Facebook, companhia, está fazendo com nossas esperanças, sonhos, declarações políticas e fotos de bebês uma vez que as captura.

E ele realmente as captura. Em 2014, engenheiros do Facebook escreveram que eles tinham 600 terabytes de dados sendo processados diariamente.

Para uma perspectiva, o tamanho de “Guerra e Paz”, o texto é 3.1 megabytes. A versão soviética em filme de “Guerra e Paz” tem 7 horas de duração, ou 8 gigabytes em tamanho.

Logo as pessoas estão carregando o equivalente a 193 milhões de cópias dos livros de “Guerra e Paz” ou 75.000 cópias do filme, todos os dias.

Frustrada pela constante especulação de onde esses traços estão indo para cada atualização de status que escrevo, decidi fazer uma pesquisa. Toda a informação abaixo é retirada da imprensa especializada em tecnologia, publicações acadêmicas, e o que eu fui capaz de ver no lado cliente do Facebook como usuária. Adicionei a esta postagem minhas próprias interpretações como uma profissional de dados trabalhando com dados de usuários por mais de 10 anos.

Se qualquer um que trabalhe na Facebook queira adicionar correções a esta postagem, adoraria ouvir que eles não estão coletando e processando tudo o que é dito abaixo.


Como o Facebook coleta dados

Para entender como funciona a coleta de dados da Facebook, desenhei um diagrama (muito muito) simplificado. O usuário adiciona dados na UI (a aplicação). Esta é a camada externa, o front-end.

O dado é então coletado no banco de dados da Facebook (dos quais eles possuem muitos). Esta é a camada interna, o back-end.

Os dados que o usuário vê no front-end é apenas um subconjunto dos dados no back-end.

Todo dado adicionado pelo usuário na Interface do Usuário (UI de User Interface) da Facebook vai para os bancos de dados. Imagem criada pela autora, Vicki Boykis.

Se você está interessado em saber mais a respeito das especificações técnicas, há diversos diagramas de arquitetura se pesquisar. A Facebook é vanguarda em trabalhar com big data, e seu inventário inclui Hive, Hadoop, HBase, BigPipe, MySQL, Memcached, Thrift, e muito, muito mais. Todos esses bancos alojados em data centers massivos, como o de Prineville, Oregon.

O que a Facebook sabe antes de você postar?

A coleta de dados da Facebook começa antes que você aperte “PUBLICAR”. Enquanto você desenvolve sua mensagem, a Facebook coleta tudo o que digita.

A Facebook já usou esses dados antes em um estudo sobre auto-censura. (PDF)

"Facebook está coletando isto", digita a autora em seu perfil

Os pesquisadores escrevam,

Nós reportamos o resultado de uma análise exploratória examinando auto-censura "do último-minuto", ou conteúdo que é filtrado após ser escrito, no Facebook. Nós coletamos dados de 3.9 milhões de usuários por 17 dias e associamos o comportamento de auto-censura com marcadores descrevendo usuários, seu grafo social e interações entre eles.

Significando, que se você postaria algo como, "Eu ODEIO meu chefe. Ele me leva à LOUCURA", e no último minuto abaixou o tom e escreveu algo como "Cara, o trabalho está uma loucura ultimamente", a Facebook continua sabendo o que você digita antes que aperte deletar.

Aqui estão os pontos de dados que eles usaram para conduzir o estudo:

Algo de interessante aí: postagens deletadas, comentários deletados e checkins deletados. Assim como não há garantia de que as coisas que você não escreveu não serão armazenadas, não há garantias de, que uma vez deletadas, os dados realmente serão deletados.

Então, mesmo se você deletar uma postagem, a Facebook mantém o registro daquilo. A Facebook mantém o registro dos metadados, ou os dados sobre seus dados. Por exemplo, os dados de uma ligação telefônica é o que você realmente falou. Os metadados são quando você ligou, de onde você ligou, quanto tempo durou a ligação, etc.

Para a Facebook, os metadados são tão importantes quanto os dados reais, e usa esses dados para fazer extrapolações sobre quem você é. Usando as Ferramentas de Desenvolvimento no Chrome, é relativamente fácil ver a pletora de dados passando para o Facebook de seu cliente para o back-end deles via XHR. Eu não sou uma ninja do front-end (mas adoraria conversar com alguém e ver o que conseguimos extrair), mas de uma imagem, você pode ver que a Facebook está rastreando o tempo em que você está fazendo… algo? Não é claro o que, mas provavelmente figura no tempo gasto no site, que o Facebook reporta.

Incidentalmente, isto é verdade para contas deletadas, também.

Uma vez que a Facebook possui tantos sistemas em tantos lugares onde os dados podem se misturar, como um antigo consultor da Facebook escreve,

Para responder a primeira parte de sua questão, "Você poderia pagar ao Facebook para propriamente deletar toda sua informação?", assumindo que "propriamente" significa eliminar totalmente qualquer traço que já existiu no Facebook, a resposta é não.

Similarmente, com postagens deletadas, não há garantia de que o Facebook não até mesmo mantenha a postagem na banco de dados no back-end; apenas não o exibe no site do lado do cliente.

Uma vez que você realmente escreva uma postagem, carregue uma foto, ou mude qualquer informação, tudo é absolutamente jogo justo para o uso interno da pesquisa da Facebook, revenda para agregadores de marketing como Acxiom, e dar ao governo dos Estados Unidos, através de agências como a NSA, com seu programa PRISM.


Após você publicar: o que a Facebook coleta sobre você

A Facebook obviamente coleta todos os dados que você voluntaria a eles: sua afiliação política, seu local de trabalho, seus filmes favoritos, livros favoritos, lugares em que fez check-in, comentários, e quaisquer reações a publicações. A Facebook permite que você descarregue um subconjunto de dados que eles possuem em seu banco de dados sobre você.

Em meu subconjunto pessoal, fui capaz de ver:

  • fotos que carreguei e fotos que me marcaram
  • vídeos
  • tudo o que já publiquei em minha timeline (incluindo os eventos que indiquei interesse, quais pessoas publicaram em minha timeline, memórias compartilhadas)
  • amigos e quando nos tornamos amigos
  • todas as minhas mensagens privadas
  • eventos que participei
  • cada dispositivo individual que eu já me loguei

E, quais anúncios eu estaria interessada. Isto não é algo que eu coloquei. Isto é algo que o Facebook gerou através do algoritmo baseado em cada coisa que publiquei:

Mas nós iremos explorar isso na seção sobre anúncios.

Em adição aos dados e metadados, a Facebook também rastreia intenção. Uma das formas que faz isso já foi explorada: status não postados. Outra é um rastreamento de mapa de calor do engajamento durante os vídeos.

Em adição a tudo o que se sabe sobre você, também sabe tudo sobre suas amizades, Tudo isso para dizer, o Facebook sabe bastante sobre você, mesmo quando não exibe em seu perfil ou ativamente publica no site.


O que a Facebook faz internamente com seus dados?

A Facebook faz algumas coisas com os dados coletados.

Primeiro, conduz simples buscas na informação para melhorar a performance do site ou faz análises de negócios (por exemplo, qual foi o tempo no ar do site, quantos usuários o Facebook possui, quanto de lucro teve hoje?). Isto é verdade para todas empresas em qualquer lugar.

Entretanto, com a Facebook, isso tem um twist. A empresa possui um time de engenheiros dedicado a construir ferramentas para tornar os dados mais fáceis de pesquisar com uma linguagem parecida com SQL construída em cima do Hadoop, com Hive, e, entretanto a Facebook clama que o acesso é estritamente controlado, outros dizem o contrário.

Paavo Siljamäki, diretor do selo Anjunabeats, chamou atenção para a questão quando ele publicou, no Facebook, que em uma visita à empresa no escritório de LA, um funcionário foi capaz de rapidamente acessar sua conta sem perguntar a ele sua senha.

Aqui estão mais alguns relatos de funcionários da Facebook acessando dados privados.

Em segundo lugar, a Facebook conduz pesquisa acadêmica ao utilizar seus usuários como cobaias, um fato não mencionado na Política de Dados, o que é interessante dado que, na página inicial da Facebook Research, um cabeçalho diz, "Na Facebook, pesquisa permea tudo o que fazemos".

Possui um time de ciência de dados bem grande (41 pessoas na última contagem). Para colocar em perspectiva, uma companhia de tamanho similar de 15.000 teria 5 cientistas de dados, se você estiver agressivamente conduzindo um programa de pesquisa de ciência de dados.

Entretanto, até o final de 2014, não havia nenhum processo mantido para verificar que tipo de dado era acessado, e para qual tipo de estudo. Como um antigo cientista de dados da Facebook escreveu,

Enquanto eu estava na Facebook, não havia conselho de revisão institucional que examinasse minuciosamente a decisão de conduzir um experimentos para propósitos internos. Uma vez que alguém tenha um resultado que eles decidem que querem submeter para publicação em um jornal, havia definitivamente um leva e trás com os times legais e de RP sobre o que poderia ser publicado. Se você quer rodar um teste e ver se as pessoas clicarão em um botão verde ao invés de um botão azul, você não precisa de aprovação. Da mesma forma, se você quer testar um novo sistema de rastreamento de anúncios para ver se clicarão em mais anúncios e os lucros aumentem, você não necessita de aprovação institucional.

Enquanto ele nota que isto é comum na maioria das empresas de software-as-a-service, muitas empresas SaaS também não coletam granularmente os detalhes mais íntimos das vidas das pessoas no curso de uma década.

Ele continua e observa,

O propósito fundamental da maioria das pessoas na Facebook trabalhando com dados é influenciar e alterar os humores e comportamentos. Eles estão fazendo isso todo o tempo para fazê-lo curtir mais histórias, clicar em mais anúncios, e gastar mais tempo no site.

Enquanto isso é compreensivelmente o objetivo da maioria dos websites, você pode querer pensar duas vezes antes de gastar mais do que 40 minutos por dia em um site que visa explorá-lo emocionalmente.

Em adição à mineiração de texto da Facebook e estudar suas emoções, também as manipula.

O feed de notícias é primordial para manipulação, especialmente porque a Facebook o desenvolveu para ser tão engajador quanto possível: é açucar sináptico para nossos sistemas nervosos. A Facebook quer ter certeza de que você gaste tanto tempo no Feed quanto possível, e para esse fim irá gastar mais tempo exibindo fotos de bebês e outras coisas felizes, assim como notícias que geram controvérsia e ultraje, em detrimento de status normais como "eu tomei café da manhã hoje" que não trazem tantas reações.

É assim que a hoje chamada bolha-filtro começou. Porque as pessoas clicam em coisas que as interessam, o Facebook exibe apenas coisas que engajam as pessoas, significando que outros pontos de vista, amigos e imagens, são omitidos da dieta do Feed de uma pessoa. Para um excelente exemplo de como isso funciona, veja Red Feed, Blue Feed, que exibe como diferentes feeds liberais e conservadores no Facebook aparentam.

O que mais eles estão estudando? A taxa na qual pessoas gays revelam sua orientação, para começar. Como eles sabem isso? "No ano passado, aproximadamente 800.000 americanos atualizaram seu perfil para expressar uma atração pelo mesmo gênero ou um gênero personalizado".

Muito dos estudos da Facebook centram-se na teoria dos grafos: isto é, como nós nos relacionamos com nossos amigos; em outras palavras, está realizando pesquisas antropológicas em sujeitos que nunca deram consentido para isso.

Por exemplo, recentemente, o time de ciência de dados publicou um estudo sobre os laços sociais de comunidades de imigrantes nos Estados Unidos, onde os pesquisadores utilizam os seguintes dados:

Nós limitamos nossa análise à medidas agregadas baseadas em dados anonimozados da rede social de pessoas nos EUA que usaram o Facebook pelo menos uma vez nos 30 dias anteriores às análises. Nós usamos a cidade natal da pessoa em seu perfil para determinar o país de origem.
Além disso, nós também restringimos nossa análise às pessoas com ao menos dois amigos atualmente vivendo em seu país de origem e outros dois amigos atualmente vivendo nos EUA. Nossos resultados são baseados em um recorte de mais de 10 milhões de pessoas que satisfazem esse critério. Ao longo do estudo, todas as referencias às pessoas no Facebook irão implicitamente assumir essas condições.

Estes são os estudos que nós sabemos serem públicos. O que mais eles estariam fazendo por debaixo dos panos?

Outra coisa que a Facebook gosta de estudar são, compreensivelmente, faces. Toda vez que você marca a si mesmo em uma foto, o Facebook te reconhece e irá se ajustar de acordo.

Facebook encoraja seus usuários a "marcar" pessoas em fotografias que eles carregaram em suas publicações pessoais e a rede social armazena a informação coletada. A empresa usa um programa que chama de DeepFace para parear outras fotos de uma pessoa.

Este programa, chamado DeepFace, é uma fantástica forma de conseguir marcações mais acuradas. Isto é também uma ótima forma de violar a privacidade de alguém. Por exemplo, e se você for marcado em algo que não gostar? Como, por exemplo, em um protesto contra o governo? Ou, até mesmo, simplesmente, se você foi em um evento com um amigo ao invés de outro e não quer que este saiba?

Infelizmente, a privacidade do movimento logo não sera mais uma opção. A Facebook está trabalhando em formas de identificar pessoas escondidas em fotos. O estudo da Facebook sobre o DeepFace nota que, "As implicações sociais e culturais das tecnologias de reconhecimento de faces está longe de serem alcançadas" e ainda assim não fala nada sobre os perigos potenciais de ter sua face marcada, por exemplo,

"Em breve podemos ter câmeras de segurança nas lojas que identificam as pessoas enquanto compram", ela diz.

Como eles sabem disso tudo?

Por causa de todos os dados que nós demos a eles voluntariamente, com cada vez em que publicamos uma atualização no status, cada vez que carregamos uma foto e marcamos, cada mensagem com um amigo, check in em uma localização, com cada vez que entramos no Facebook e o sistema gera uma mensagem para ser salva no banco de dados, "Hey, esta pessoas está agora no universo do Facebook", o que agora inclui Whatsapp e Instagram.


Perfis sombra

O que a Facebook faz se você não compartilha tantos dados como gostaria? Cria perfis sombra, ou "uma coleção de dados que a Facebook tem coletada sobre você e não as providenciou você mesmo".

Como o artigo estabelece,

Mesmo que você nunca o tenha dado, o Facebook muito provavelmente tem seu endereço de email alternativo, seus números de telefone, e o endereço de sua residência — tudo providenciado por amigos que estavam tentando encontrá-lo e conectar.

Ainda pior, a Facebook coleta basicamente… sua face.

Um processo recente se foca não em endereços de email ou números de telefone, mas em "modelos faciais": sempre que um usuário carrega uma foto, a Facebook analisa todas as faces e cria um "modelo biométrico digital".

Tudo isso seria preocupante mesmo se o Facebook coletasse apenas por si mesmo. Mas então existem os fornecedores externos.


Que relacionamento a Facebook possui com empresas de marketing?

A Política de Dados da Facebook nota que a empresa se alinha com outros fornecedores para coletar dados sober você:

Nós recebemos informação sober você e suas atividades dentro e fora do Facebook de terceiros parceiros, como informações de um parceiro quando nós conjuntamente oferecemos serviços para um anunciante sobre suas experiências ou interações com eles.

Coleta "aproximadamente 29.000 indicadores demográficos e aproximadamente 98% deles são baseados na atividade dos usuários no Facebook".

Aproximadamente 600 pontos de dados, enquanto isso, reconhecidamente provem de negociantes de dados independentes tais como Experian, Acxiom e outros. Os usuários reconhecidamente não possuem acesso aos dados demográficos obtidos dos terceiros.

Em adição a coletar todos os detalhes que você voluntariamente fornece sober si mesmo, como o nome legal completo, data de nascimento, hobbies, religião, e todos os lugares que você já estudou ou trabalhou, a Facebook também faz suposições sobre coisas que não sabe e então compartilha esses dados com a Acxiom, e outros negociantes de anúncios para mais efetivamente atingirem você.

Por exemplo: renda familiar, o que eles então usam para criar um perfil de dados para vender aos marketeiros, que são, no final, seus clientes pagantes. Marketeiros podem então comprar anúncios extremamente funelados de quaisquer e todos do que se segue:

Localização, Idade, Geração, Gênero, Lingua, Nível Educacional, Campo de estudo, Afinidade Étnica, Escola, Rendimento, Propriedades e tipos, Valor da propriedade, Tamanho da propriedade, Metros quadrados da residência, Ano que a residência foi feita, Estrutura da residência.

Como a Facebook sabe disso? Ao fazer algumas suposições sobre você baseadas nos dados que sabe e o que pega com a Experian e afins.

Estes dados podem então ser usados para atingir usuários no Facebook na forma de anúncios. Os tipos de alvos que você pode usar no Facebook contam muito sobre os dados que eles mantém por trás das cenas. Por exemplo, você pode não apenas atingir uma audiência baseado em localização/idade/gênero/linguagem, você pode também escolher hobbies e estágios da vida (i.e. recém noivos, noivos a 6 meses atrás, crianças na idade escolar). É possível atingir alguém assim tão específico e ainda assim ser um número bem grande pessoas (no meu exemplo foi entre 100–200).

Estes dados podem ser revendidos, onde eles são misturados com outros dados que existem sobre você juntando cartões de crédito e outras fontes de marketing, para criar sites como este que irão tentar criar um perfil completo de você. Não há forma simples de sair dessa, porque uma vez que o dado é criador, é muito mais difícil de deletar. Este é o motivo de que uma das preocupações primárias de ativistas da privacidade é fazer com que as empresas deletem grandes quantidades de dados após um certo tempo.

A Facebook também tem o direito de usar a sua foto, e de sua criança se ela tem menos de 18 anos, em seus anúncios.


Que dados a Facebook dá ao governo?

Nós não sabemos tudo o que a Facebook provê ao governo. A Facebook possui uma página de Pedidos Governamentais, que não é atualizada desde junho de 2016. Nós não sabemos, entretanto, que o governo está pedindo por mais e mais informação.

Aqueles dados levam a um reporte que nos mostra quantos dados foram acessados e quantos usuários foram impactados, mas não é dito nada adicionalmente sobre o tipo de informação dada, ou qual tipo de agências estão acessando (local, estadual, FBI/NSA).

Nos EUA houveram entre janeiro e junho de 2016 foram feitos um total de 23.854 pedidos para dados de usuários. No Brasil houve 1.751. O número total de contas referenciadas (envolvendo outras pessoas) de 38.951 para o EUA e 4.486 no Brasil. O número de pedidos que tiveram dados produzidos chegou a 80.65% nos EUA e 50.60% no Brasil, tendo nos EUA preservados 56.714 contas e no Brasil, 1.517.

Mark Zuckerberg até mesmo liberou uma declaração, dizendo,

A Facebook não é e nunca foi parte de qualquer programa para dar aos EUA ou qualquer outro governo acesso direto aos nossos servidores. Nós nunca recebemos um pedido em branco ou uma ordem da corte de qualquer agência governamental pedindo informação ou metadados em lote, como a que a Verizon reportou. E se tivéssemos, iriamos lutar agressivamente. Nunca tínhamos ouvido falar de PRISM até ontem.

Novamente, é importante ler entre as linhas. Acesso direto aos servidores não é necessário para enviar arquivos em lote. Também não é necessário saber sobre o PRISM com esse nome.

Também é difícil saber até mesmo se a NSA está coletando dados do Facebook de alguma outra forma. Na Europa, pelo menos, os processos estão vindo nesta questão.

Mas por hora, vamos apenas assumir que a vigilância está acontecendo.


O que a Facebook rastreia após você deixar o Facebook?

Fora do Facebook.com, a Facebook te rastreia através do "Entrar com o Facebook".

Se você se deslogar, a Facebook também rastreia você através de cookies. Como a política de privacidade estabelece,

Nós coletamos informação quando você visita ou usa websites de terceiros e aplicativos que usem nossos serviços. Isto inclui informação sobre a websites e aplicativos que você visita, seu uso de nossos serviços nesses sites e aplicativos, assim como informação o desenvolvedor ou publicador do aplicativo ou website proveja para nós

A Facebook também está tentando rastrear, ou já rastreando, como você move o mouse ao longo da tela.

No início de 2011, também começaram a rastrear como você se mostra através da web se você continua logado na Facebook.

A Facebook mantém o rastro de onde você está na web após se logar, sem seu consentimento. Nik Cubrilovic cavou um pouco mais fundo, e descobriu que a Facebook consegue saber onde você está, mesmo se você se deslogou. Facebook, para esta parte, negou essas declarações.

É seguro dizer que coleta seu histórico de navegação para enriquecer seus anúncios.


O que eu deveria pensar quando eu uso o Facebook?

O que tudo isso significa? Essencialmente, isso significa que cada única coisa que você faz no Facebook, e se você está logado, em outros websites, é potencialmente rastreado pela Facebook, e salvo em seus servidores.

Para ficar claro, cada empresa atualmente emprega alguma forma de rastreamento de seus usuários. Simplesmente não haveria outra forma de mensurar suas operações. Mas a Facebook tem bem claramente se aventurando fora dos limites das práticas eticamente aceitáveis do negócio de dados por um tempo. Mesmo se a Facebook não esteja fazendo algumas das coisas que mencionei (capturar pré-publicações, bagunçando com o News Feed) eles estão fazendo um trabalho muito similar e não há garantias de privacidade ou não ser usado em um experimento. Também significa que se você não é ativo no Facebook, você continua sendo rastreado.

Cada curtida que você dá em uma publicação, cada amigo que você adiciona, cada lugar em que você faz o check-in, cada categoria de produto que você clica em, cada foto, é salvo pela Facebook e agregado.

Agregado como? Difícil dizer. Talvez como parte de um experimento social.Talvez sua informação está sendo passada para agências governamentais. Talvez funcionários individuais na Facebook que não necessariamente possuem as permissões corretas podem acessar sua página e ver seu histórico de empregos. Talvez esse mesmo histórico esteja sendo enviado a uma seguradora.

Isto inclui todos os grupos privados, todos os grupos fechados, e todas as mensagens. E, como a Facebook aponta, Não existe essa coisa de privacidade no Facebook.

Essencialmente, isto significa que você precisa ir ao Facebook assumindo que cada coisa que fizer se tornará publica, ou poderá ser usada para anúncios, ou analisada por uma agência governamental.


O que eu devo fazer se não quero que a Facebook tenha meus dados?

Facebook começou como uma forma de estudantes universitários conectarem-se uns aos outros, e chegou eventualmente ao ponto onde está alterando o comportamento das pessoas, rastreando seu uso, e possivelmente agregando informação para o governo.

O problema é que cada pessoa, use ou não o Facebook, está implicada em seu sistema de rastreamento, marcação de relacionamentos e perfis sombra. Mas isto é particularmente verdade se você é um usuário ativo no Facebook.

Então a coisa mais importante é estar consciente de que isto está acontecendo e dar ao Facebook menos dados tanto quanto possível.

Aqui está uma lista de coisas eu quero fazer para minimizar minha exposição ao Facebook.

Nem todos farão o que eu farei. Mas a coisa mais importante é que, mesmo se você decida continuar usando o Facebook como tem fazendo, você esteja consciente do que a Facebook está fazendo com seus dados e esteja empoderado para entender os tradeoffs que acompanham em ser social.

  1. Não publique informações excessivamente pessoais
  2. Não publique nenhuma foto de seus filhos, especialmente se eles estão em uma idade que eles não possuem consentimento
  3. Faça logout do Facebook quando terminar de navegar. Use um navegador separado para o Facebook e outro para todo o resto.
  4. Use ad blockers.
  5. Não use o Facebook, particularmente o Messenger, para organizar ou participar de eventos políticos. Se você precisa organizar, use o Facebook como ponto inicial, e então vá para outra plataforma. Plataformas recomendadas: Signal possui os melhores padrões de conversa privada do momento. Whatsapp é ok para conversas em grupo, mas, eu não recomendo pois é atrelado ao sistema de metadados da Facebook. Telegram é bom também, mas não tão bom, pois usa uma um sistema privado. Novamente, depende do nível do risco. Aqui fala-se mais destas plataformas.
  6. Não instale o aplicativo do Facebook em seu telefone. Pede por várias permissões loucas.
  7. Não instale o aplicativo do Messenger em seu telefone. Use o site mobile. Messenger está bloqueado no celular agora, então use a gambiarra de permitir o site desktop em seu navegador.

É muito triste que uma rede social que tenha feito tanto bem também é a coisa mais terrível sobre a Internet, mas até as pessoas deixarem a plataforma ou aplicarem algum tipo de pressão econômica na mesma, nada irá mudar.

De minha parte, algo que eu pessoalmente como uma professional de dados tenho feito é enviar aos recrutadores da Facebook o email com a seguinte mensagem:

Querido recrutador,

A forma com que a Facebook coleta e usa dados, incluindo:

me fez não apenas me opor fortemente a trabalhar na mesma como me fez avaliar de forma incisiva meu uso do Facebook, pois eu nunca sei como toda tecla eu entro no sistema será utilizada.

Se a Facebook como empresa está empenhada em mudar de direção e

  • usar os dados para lutar com essas questões
  • ativamente trabalhar em formas de deletar dados desnecessários
  • ativamente trabalhar em comunicações seguras e privadas que não esteja suscetível à interferência governamental
  • e ativamente trabalhar de forma para prevenir que dados privados do consumir sejam compartilhados com terceiros desnecessários

Eu adoraria saber.

Sinceramente,

Vicki

Nós somos animais sociais, e fomos feitos para nos conectar, buscar aprovação, querer compartilhar e querer organizar na plataforma onde todos estão, e por isso, por agora, é a vantagem do Facebook. Adicionalmente, é difícil dizer que a Facebook é de todo mal: realmente conecta as pessoas, ajuda a organizar eventos e reuniões, e faz o mundo mais interconectado.

Mas, como usuários do Facebook, nós e nossos dados são seu produto. E, assim que entendermos melhor como estes dados estão sendo usados, nós podemos continuar a brincar no playground do Facebook, mas por suas regras, mas sejamos um pouco mais informados a respeito disso.

Esta é uma tradução para o português brasileiro de What should you think about when using Facebook? de Vicki Boykis, autorizado pela autora. Correções ortográficas e sugestões de traduções são bem vindas. Considerei um texto bem claro de uma compilação de práticas necessárias ao "consumo consciente" do "terceiro lugar" (i.e., a nova sala de estar) deste início do século XXI.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.