Tá na moda ser deprê

Primeiro cenário: anos 2016, 2017. Começa uma febre nova na internet, motivadora de vários memes: a depressão e a sofrência. Desde o ano passado (de maneira mais forte, pelo menos)reclamar e sacanear a situação de merda em que você supostamente está se tornou algo engraçado.

Segundo cenário: anos 2007, 2008. Novas bandas começam a surgir com o intuito de falar de tristeza e melancolia. São cunhados de emo (de “emotional”, do inglês). Esse grupo foi ridicularizado e sacaneado até não poder mais, porque ser emo era algo considerado menor (inclusive as próprias bandas eram consideradas assim. Viviam uma relação de amor ou ódio com as pessoas).

Falar de problemas e da “sofrência” como algo sério não pode. Falar dela como algo engraçado pode.

Não estou aqui julgando os memes nem seus criadores, muito menos afirmando que sou contra. Pelo contrário. Me divirto sempre na internet com os memes que aparecem. Quero chamar atenção para algumas coisas e a primeira é bem direta: por que ridicularizamos aqueles que falam da tristeza de maneira séria? Será que realmente a tendência/música era ruim ou só queríamos algo pra excluir como não nosso?

Outra coisa pra que chamo atenção é mais complexa: será que essa ridicularização do emo não era um próprio reflexo da nossa refusa em aceitar a depressão como algo sério em nossa sociedade?

É possível falar mais sobre a sofrência atualmente. Há mais espaço. As pessoas aos poucos estão desconstruindo essas pré-concepções. Mas seriam os memes ainda um reflexo de uma não consideração da depressão como problema sério?

É engraçado que, mesmo se esse for o caso, os memes afinal ajudam muitas pessoas diariamente. Dá pra abrir o Facebook e se divertir com as imagens, vídeos e tweets todos os dias, e muitos que inclusive estavam pra baixo em algum momento acabaram sendo ajudados por essa nova realidade.

Em meio a esse cenário, tenho apenas um desejo: que daqui pra frente tanto a música quanto esse novo recurso possam ajudar pessoas, ao invés de ridicularizá-las. Possam colocar pra cima e não pra baixo. Possam salvar, e não matar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.