A Morte é Eterna #66

Você é o último a ler esta newsletter. Caso queira mudar este fato me apoie no Apoia.se, pode receber essa coluna no domingo além de ganhar outras vantagens.


01- O Brexit foi uma puta cagada;

02- E a May “perder” a eleição foi uma cagada ainda maior;

03- Reino Unido pareceu o Brasil nessa história;

04- Eu queria ver o Lord Buckethead negociando o Brexit em Bruxelas. Maldito John Oliver que plantou esta ideia na minha cabeça;

05- Em uma A Morte é Eterna recente cometi um baita de um erro, não sei se alguém percebeu;

06- O filme da Mulher Maravilha é muito bom! As lutas empolgam demais e a sutileza das críticas é incrível! Terceiro melhor filme de herói da história, talvez segundo;

07- A terceira temporada de Bloodline embora muito boa é bastante inferior as duas anteriores, sinto que se perderam ao tentar expandir a história;

08- Eu sou radicalmente contra mudanças, mas a nova cara do aplicativo do Twitter me agradou. Toda regra sempre tem exceção;

09- Cursos on-line, até o momento, tem-se mostrado interessantes;

10- Não gosto de trabalhos em grupo, gosto de fazer as coisas no meu ritmo, com o meu jeito e, mais importante, com a minha linha de raciocínio.


A Última Noite no Circo: Ir ao circo é se divertir, é ver o impossível se tornar realidade diante de seus olhos. Mas será que tudo que os espectadores veem é apenas um show, ou será que a empolgação os impede de ver o que realmente está acontecendo no picadeiro?

Crônicas de uma Eleição: Quando o maior e mais antigo Partido perde seu candidato, apenas uma atitude ousada pode garantir uma chance de competição no próximo pleito. Uma revolução política em um meio corrupto no qual o que importa é apenas o poder.

Um Suicida no Céu — Uma Jornada de Escolhas: Um pecador caminha pelos Reinos do Céu, um inocente anda pelos Círculos do Inferno. A vida após a morte é tão misteriosa e complexa como a vida na Terra.

Uma Estória do Mundo: A natureza prove magia, a natureza prove tecnologia. A humanidade prove crenças, a humanidade prove guerras.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.