Celulares com fios

Foi encontrado, dentro do teatro, um aparelho celular sem fio…

A frase pertence a um ex-funcionário do meu pai, ela foi proferida no final dos anos 1990 e começo dos anos 2000, e mesmo na época, e lembre-se que nessa "antiguidade" celulares eram aparelhos pouco comuns e inúteis (basicamente porque o mundo ainda não sabia que aparelhos telefônicos verdadeiramente móveis podiam ser úteis), a frase foi engraçada.

Tão engraçada que rendeu ao funcionário dois pontos no extinto Troféu Descarga, uma premiação criada pela equipe para premiar aquele trabalhador que mais falasse merda no período de dois/três meses, quando as escolas realizam suas festas de finais de ano.

O troféu do prêmio era semelhante a essa privada, mas com as cores amarela e verde. Também era um brinquedo, onde, após colocar água na cuba, ao se abrir tampa um esguicho era expelido por uma pequena abertura no fundo da privada.

Seja como for, o ponto deste texto não é relembrar uma passagem que até hoje vive nas memórias de todos aqueles que a viveram, nem mesmo tornar pública a vergonha e o desconhecimento pessoal de uma pessoa. Até porque se fosse eu estaria citando nomes aqui, e eu não estou citando nomes aqui.

Não, o ponto em que quero chegar, após essa introdução que eu imagino que tenha sido minimamente cômica, é que atualmente falar que um telefone celular é sem fio chega a parecer que a pessoa está escrevendo uma ficção científica com a boca (então seria falando, talvez até mesmo declamando, ou contando… enfim, esses pormenores não interessam).

Pare para pensar quanto tempo seu celular passa com fio, e quanto tempo ele passa sem fio. Entre carregar na parede, carregar com baterias portáteis, e carregar no carro, o tempo que o celular tem fio é simplesmente grande demais!

Digamos que você durma seis horas por dia, se for como eu vai deixar o celular todo esse tempo ligado no carregador. Ou seja, já são seis horas dele como fio. O que não é nenhum absurdo, todos os meus celulares sempre tiveram esse tempo para "descansar" e literalmente recarregar a energia.

O problema é que os novos aparelhos de telefonia móvel precisam ser recarregados muitas outras vezes no dia. Digamos que lá pelas duas da tarde a carga já está quase acabando, você conecta na parede, ou na bateria móvel, e deixa ele ali por mais duas horas. Já são oito horas de telefone celular com fio.

Você continua usando, até porque se não continuasse não tinha porque carraegá-lo, até chegar o momento de voltar para casa. Para aqueles que tem carro, é hora de ligar o telefone móvel no carro. Não apenas para aguentar as horas de engarrafamento que tem pela frente, mas também para escutar uma música e dar mais um carga na bateria que já estava se aproximando, talvez até mesmo perigosamente, do fim. Aqueles que utilizam transportes públicos, ou transportes amigos do meio ambiente, vão se fazer valer da bateria móvel novamente. É justo, nessa situação, colocar pelo menos mais uma hora de celular com fio.

Ou seja, em um cenário nada inverossímil, temos um celular, cujo o grande atrativo é a mobilidade, ao contrário de seus concorrentes, que precisam de pelo menos uma base, que necessita ter fio por NOVE horas! Isso é quase meio dia!

Eu entendo que os celulares tem, atualmente, um número de recursos que seria impossível de se imaginar que um dia eles teriam. Eu sei que se na década de 1970 eles possuíssem um smartphone a viagem até a lua teria sido infinitamente mais fácil, mas isso só mostra que a tecnologia avançou. Ou, pelo menos, parte dela.

Então quero deixar aqui o meu pedido/protesto para que as fabricantes de celulares parem tudo o que estão fazendo e foquem, única e exclusivamente, no desenvolvimento de novas baterias. Foda-se que eu posso destravar meu celular com minha digital, foda-se que eu posso pagar coisas pelo ar (tecnologias de curto alcance na verdade, mas ar parece mais mágico), foda-se que a câmera tem um quadrilhão de megapixels, pois, na grande realidade, nada disso faz tanta diferença assim na minha vida se eu enxergar esse aparelho apenas como algo que está limitando minha mobilidade.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.