Death is Eternal #23

Vamos falar sobre filmes? Vamos! Até porque se não falar sobre isso não vai ter newsletter essa semana…


Sdds Pulp Fiction

Existem filmes com histórias separadas que se interligam que são muito bons, mas "Território Restrito" não é um destes. Acho que o principal problema da película é usar a desculpa de falar sobre problemas da imigração para os Estados Unidos como pano de fundo para expressar preconceitos. Os árabes não respeitam as mulheres e são agressivos, os latinos entram ilegalmente arriscando a vida para cuidar dos filhos pequenos, os americanos não respeitam as crenças dos outros, os asiáticos são mafiosos… Nenhuma mensagem nova é passada pelo filme. As histórias são amontoados ruins de clichês costurados de maneira lenta. A película dá sono, em momento algum ele chega sequer perto de empolgar. O que é uma pena, pois havia muito potencial para se contar uma grande história com a ideia. E mais do que isso, o formato de contos que se interligam é perfeito para o estilo de filme que eles quiseram fazer, mas que falharam.


Eu queria muito ser o Seth Rogen

Eu gosto muito de filmes do Seth Rogen. Todos. Mas preciso confessar que são muito poucos os que me fazem rir do começo ao fim. Em geral eu acho eles cômicos, mas não engraçados. Com exceção de Superbad eu não dou risadas do começo ao fim com nenhum dos filmes dele, mas "Vizinhos" chegou muito perto disso. A rixa entre o Rogen, sua esposa e a fraternidade é hilária. A forma com que a disputa acontece, o que eles fazem para ganhar uns dos outros é de uma idiotice que me fez rir como a tempos eu não ria. Claro que o filme não é perfeito, e sempre que ele foge do cenário casa/fraternidade a película cai de nível. Exceção feita a uma cena, nada que não seja o cenário principal é verdadeiramente engraçado. "Vizinhos" é, muito provavelmente, meu segundo filme favorito do Rogen. Sim, achei ele melhor que "É o Fim" e "Pineapple Express".


O título em português é ruim e bom ao mesmo tempo

"Uma Noite de Crime" ("The Purge", no original) foi sem dúvidas um dos melhores filmes que eu vi recentemente. Muito embora eu duvide da justificativa do enredo da película — liberar a raiva faria tudo tão melhor assim, sério mesmo? Eu duvido! — a execução é brilhante. O filme é claustrofóbico. Cada curva que os atores fazem na casa faz com que o espectador prenda sua respiração, a busca e a fuga são apavorantes e mesmo uma casa tão grande pode se tornar pequena quando sua vida está em jogo. E é isso que se sente ao assistir ao filme, que a sua própria vida está em risco. Ethan Hawke e Lena Headey fazem um trabalho incrível na empatia, é fácil se colocar na posição desesperados dos dois protagonistas, e isso é aterrorizante. As apostas são mais altas quando sente que você está em perigo, que aquela situação é real. "The Purge" é um terror/suspense intimista, e é nisso que mora sua genialidade.


É um pouco difícil de acreditar que o James Bond deixaria acontecer o que aconteceu

"A Casa dos Sonhos" era um filme que eu já havia visto, mas como fazia bastante tempo eu não me lembrava direito do que acontecia. E isso foi bom e ruim ao mesmo tempo. Ruim pois eu meio que já sabia de um dos plot twists da película, mas bom pois a minha memória me enganava e o que eu lembrava não era a principal virada do final. "Dream House" tem, como dito anteriormente, duas grandes guinadas na história. E para mim ambas funcionam muito bem, a primeira é melhor e mais surpreendente que a segunda, mas isso não quer dizer que a última seja ruim. O problema da segunda é que deixa o sentimento de que faltou coragem para o roteirista, ou para o diretor, ou para os produtores, ou para quem quer que tenha aprovado a história do jeito que ela foi filmada. Mas tenham em mente que finais covardes não são necessariamente finais ruins. E digo mais, talvez se o filme tivesse o final corajoso que eu imagino ele não fosse tão bom quanto é.


Comportem-se até a próxima semana, ou não. Foda-se, façam o que acharem melhor. Só não me culpem depois se der merda.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated GIC’s story.