Death is Eternal #32

Vamos direto ao ponto porque hoje tem um monte de assunto na newsletter.


Você está piorando

Não sei porque demorei tanto tempo para falar sobre este assunto, talvez porque ele não tenha me incomodado tanto antes quanto vem me incomodando nos últimos dias, seja como for… Achei a atualização do Snapchat, que tem que criar playlist antes de ver as histórias, uma grande merda. Ela tornou o uso do aplicativo menos fácil, acrescentou um passo na utilização. Não quero ter que fazer mais coisas antes de ver usar o aplicativo, muito pelo contrário, quanto menos coisa tiver que fazer melhor!


Sou bastante a favor da volta do ponto de exclamação

Vocês já procuraram o nome de outras pessoas no Google? Se nunca fizeram façam, é muito curioso ver os resultados que aparecem. Descobre-se cada coisa sobre as pessoas. Ultimamente tenho feito bastante isso, e cada nova busca é uma nova revelação, nós não fazemos ideia do tipo de informação que a internet guarda sobre nós. É até meio assustador entender que realmente tudo o que faz e/ou posta na internet fica guardado para sempre.


Para que mexer no que está funcionando?

O Hooks é um aplicativo de notificações. Você pode pedir para ele te avisar quando vai chover, ou nevar. Quando um novo episódio de uma série vai ao ar, ou quando um jogo do seu time vai começar. Mas, aos poucos, ele estão estragando o aplicativo. Começou com um chat, que fez com que as novas notificações não ficassem no topo do feed, avisos antigos com novas mensagens ocupavam as primeiras posições. E agora estão pedindo para que faça um cadastro para poder usar o aplicativo. Estão acrescentando um passo no uso, estão dificultando a usabilidade. Parabéns aos envolvidos, eles me fizeram procurar por um concorrente.


Tudo a mesma bosta

Não é de hoje que sabemos que os serviços de internet no Brasil são precários, para dizer o mínimo. E no começo da semana passada (24/10/2016) fui vítima deste serviço ruim. Descobri que o motivo da minha internet ser tão inconsistente é a venda de um serviço que não deveria existir para minha casa. A velocidade da minha internet é muito grande para a distância que ela está da central. Se eu quiser uma internet que não caía preciso reduzir a velocidade da internet para menos da metade. Que merda! Como as empresas ainda se safam de sacanagens como essa?


Triumph Of Death — Pieter Bruegel

Eu não gosto de arte moderna. Não, talvez eu odeie arte moderna. Ou, talvez, sendo mais preciso, eu não entendo arte moderna. Eu consigo ver o valor de uma pintura clássica, mas eu não consigo ver nada demais em pinturas atuais. Como é possível comparar um quadro que conta uma história, que tem desenhos identificáveis, com três ou quatro riscos de cores diferentes? Eu vejo o mérito da coragem de expôr o trabalho para o público, não é fácil superar o medo e mostrar o que fez para os outros, mas não entendo como alguém pode considerar rabiscos como arte. Pensamento preconceituoso de minha parte, eu sei. Mas é como eu me sinto.


A foto é de Astro City, mas não de Local Heroes

Astro City Local Heroes é mais um capítulo da excepcional série criada por Kurt Busiek, Brent Eric Anderson e Alex Ross. A saga sai do escopo dos super-heróis e foca em como as pessoas da cidade são tão heróicas quanto aqueles que colocam roupas espalhafatosas para lutar contra o crime. A mudança de dinâmica é incrível e mostra, não só com um discurso vazio, que pessoas comuns podem sim fazer a diferença no mundo. É um clichê mostrado de uma forma diferente. Aliás, essa é a tônica de Astro City.


Quando tudo fica bem

Astro City Dark Age trata sobre assuntos comuns ao universo dos super-heróis mas com uma visão diferente. Na saga temos uma grande crise, viagens no tempo, uma história de vingança e superação, mas do ponto de vista humano. Não são os heróis os protagonistas, e sim dois irmãos que “caem de para-quedas” na história. Essa dinâmica funciona maravilhosamente bem, mas o final decepciona. Tudo se resolve rápido, as coisas parecem não ter peso. Tudo o que aconteceu parece que não importa, pois em um piscar de olhos está tudo resolvido. A viagem é uma delícia, mas o destino é péssimo.


Até que eu sei desenhar

Há muito tempo eu e meu pai construímos os móveis que uso (armários, mesa do computador, cama, criado-mudo…) e entre eles encontra-se um que eu nunca tinha usado até a última quarta-feira (26/10/2016): uma prancheta para desenho. Eu sempre quis aprender a desenhar, e pensei que ter uma mesa específica para isso me ajudaria a correr atrás deste sonho, ledo engano. Ela passou anos servindo como cabide, mas dias atrás eu percebi que o mapa da cidade para o meu próximo livro estava muito pequeno, a folha A4 era insuficiente para todos os elementos e nomes que queria colocar. Havia, finalmente, chegado a hora de usar a prancheta para o que ela foi feita: desenhar. Foi uma experiência legal, o mapa ficou bom, a cidade tem o tamanho que eu preciso, as família agora tem espaço para morar. Este novo livro está me fazendo passar por experiências que nunca havia tido antes, estou gostando muito dele.


Ele voltou

Westworld s01e04 tem como grande destaque a volta do ator brasileiro Rodrigo Santoro… Mentira, isso é bacana mas não é o grande destaque. Os destaques são a revelação de que a óbvia teoria do terceiro episódio é falsa, o Ed Harris não é o sócio perdido; e a forma com que o Anthony Hopkins mostra que não aceita questionamentos sobre a sua criação. Isso mostra que o Harris está certo, aquilo é um jogo que a maioria das pessoas não consegue entender, e cada nova atualização é um novo capítulo que permite chegar ao final. Isso muda tudo, pois faz com que as lembranças dos robôs talvez não seja algo que está acontecendo sem querer, talvez tudo seja parte do plano de Hopkins. E isso é muito foda.


Surpreendendo a todos

O Trondheim Tyr sofreu uma derrota dolorosa na última rodada. Uma escolha errada do técnico, que sou eu, fez com que o time não ganhasse. Optei por deixar o Tyrell Williams no banco e colocar o Jeremy Kerley para jogar, isso porque o primeiro enfrentava uma das melhores cinco defesas contra os WR, e o segundo uma das cinco piores. No final das contas Williams anotou 16,10 pontos, enquanto Kerley fez apenas 2,10. Essa diferença me custou a vitória. O destaque do time foi DeMarco Murray com 19,60 pontos. Placar final: Trondheim Tyr 109,42 x 117,78 Xerminator Noizes.


Comportem-se até a próxima semana, ou não. Foda-se, façam o que acharem melhor. Só não me culpem depois se der merda.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.