Mudanças do dia para noite (ou como a vida é filho da puta)

Esse texto vai ser bastante curto, e não vai ter ponto nenhum. Vou apenas extravasar coisas que aconteceram de ontem para hoje.


Ontem era para ter terminado de um jeito muito bom. O blog conseguiu seu maior número de acessos da história (tudo graças ao Izzy Nobre, depois agradecerei-o melhor em outro post) e o feedback que eu recebi foi bastante positivo. No geral as pessoas gostaram da minha análise/ponto de vista do caso Quitandinha (para ler o post clique aqui). Era para ser um dia bom, mas a vida… A vida é uma filha da puta.

À noite, quando meu pai preparava-se para entra no banho, falei que a verruga no peito dele estava aumentando. Ele respondeu que não era uma verruga, era câncer. Achei que ele estava brincando, eu e meu pai temos um senso de humor meio mórbido, falei que ele precisava começar a produzir e vender metanfetamina e ri. Ele, de maneira séria, falou que não era brincadeira. Perguntei se estava falando sério, e ele me falou que havia ido na dermatologista naquele dia mesmo e ela havia dado a notícia para ele. No próximo dia 18/02 meu pai vai retornar ao consultório para fazer uma biópsia que vai confirmar a suspeita de câncer de pele, e informar se é benigno ou maligno.

(Eu nunca entendi essa diferenciação entre os tipos de cânceres, como algo pode ser benigno se ele precisa ser retirado do corpo através de cirurgia? A ciência e a medicina mandaram muito mal nessa nomenclatura.)

Fui dormir com essa notícia, que como devem imaginar não é nada animadora. E acordei com 17 ligações de minha mãe via Viber. Claro que como uso o "Não Perturbe" do iPhone as chamadas simplesmente não chegaram até mim. Ela voltaria hoje de viagem, e segundo algumas mensagens que ela mandou seu voo não mais existia. Não consigo falar com ela desde manhã.

Depois do meu pai com câncer minha mãe perder o voo parece algo indigno de preocupação, certo? Errado. Porque ela está na Tunísia, que fica muito perto do Oriente Médio. E mais do que isso, em um dos passeios que ela fez no país ela chegou próximo a uma base do ISIS… Sim, a organização terrorista mais perigosa do mundo atualmente.

Em uma noite minha vida que era muito boa passou a ter um pai com câncer, e uma mãe desaparecida tendo como última localização conhecida um país com radicais terroristas. A vida, ao menos nesse exato momento, é uma filha da puta.


Atualização #01: Minha mãe está bem, viva e em São Paulo. Chega em Curitiba por volta do meio dia.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated GIC’s story.